Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,70
    -0,65 (-1,06%)
     
  • OURO

    1.796,40
    +3,30 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    53.560,60
    -1.934,32 (-3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.236,67
    -26,30 (-2,08%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.686,48
    +64,56 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    29.028,75
    +520,20 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    13.893,00
    -26,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7066
    +0,0046 (+0,07%)
     

Unicef faz alerta sobre consequências da pandemia para crianças: “Carregarão cicatrizes inconfundíveis”

·1 minuto de leitura
The palms of the hungry boy hold an empty plate
Foto: Getty Images

Há um ano, a Organização Mundial da Saúde decretava que o mundo estava em uma pandemia de coronavírus. A Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) avalia que a crise sanitária deixará marcas “inconfundíveis” nas crianças e pode afetar as próximas gerações.

No período, crianças ficaram sem escolas, o contato humano foi reduzido de forma intensa, muitas passaram por depressão e enfrentaram abusos. Além disso, um grande número de famílias passam por dificuldades e até fome.

Leia também:

“Aumentou o número de crianças com fome, isoladas, abusadas, ansiosas, que vivem na pobreza e são forçadas a casa”, declarou Henrietta Fore, diretora executiva do órgão. A nota foi emitida em razão do um ano da pandemia de covid-19.

“O acesso à educação, socialização e serviços essenciais, incluindo saúde, nutrição e proteção diminuiu. Os sinais de que as crianças carregarão as cicatrizes da pandemia nos próximos anos são inconfundíveis”, declarou.

Como forma de compensar os danos causados às crianças, a Unicef recomenda que os planos de reabertura coloquem as escolas como prioridade. O órgão ainda recomendou que os alunos estejam no “centro dos esforços de recuperação”.

Segundo a Unicef, 168 milhões de alunos em todo o mundo estão sem aulas, porque as escolas estão fechadas. Entre eles, um terço não tem acesso à educação online.