Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.485,61
    +1.339,68 (+3,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

União Europeia protege o termo ‘champagne’ para a França

·2 minuto de leitura
A associação dos fabricantes de champanhe (CIVC, em francês) está tentando proibir uma rede de bares de tapas na Espanha de usar "champanillo", em espanhol para "pequeno champanhe", em placas e nas redes sociais. (Getty Images)
  • Bares na Espanha estavam usando o termo em um outro sentido

  • Tribunal de Barcelona tomou decisão contra CIVC, mas acabou sofrendo um revés

  • Russos podem usar uma variação da palavra ‘champagne’

O principal tribunal da União Europeia apoiou os fabricantes franceses de champanhe na quinta-feira, que argumentaram que sua proteção sob a lei da UE deveria se estender muito além de proibir os produtores de vinho espumante rivais de colocar a palavra "champanhe" em suas garrafas.

A associação dos fabricantes de champanhe (CIVC, em francês) está tentando proibir uma rede de bares de tapas na Espanha de usar "champanillo", em espanhol para "pequeno champanhe", em placas e nas redes sociais.

Leia também:

O tribunal comercial de Barcelona rejeitou as reclamações do CIVC, uma vez que o sinal ‘champanillo’ não se destinava a designar uma bebida alcoólica, mas sim um estabelecimento de restauração onde o champanhe não é vendido e, portanto, outros produtos que não os protegidos e que visam um mercado diferente.

O CIVC apelou ao tribunal provincial de Barcelona. Este órgão jurisdicional solicitou orientações ao Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) sobre se as denominações de origem protegida (DOP), como o champanhe, abrangiam tanto serviços como produtos.

O TJUE afirmou que os termos cobriam serviços e se destinavam a oferecer uma garantia de qualidade devido à proveniência geográfica e a impedir que terceiros pretendessem lucrar com a reputação que tais produtos adquiriram.

O tribunal da UE afirmou que isso foi estabelecido se o uso de um nome criar uma ligação suficientemente clara e direta na mente de um consumidor europeu médio que está "razoavelmente bem-informado e razoavelmente atento e circunspecto".

Os juízes da UE disseram que cabia ao tribunal provincial de Barcelona tomar uma decisão definitiva sobre o caso, levando em consideração os esclarecimentos do tribunal da UE.

O grupo da indústria de champanhe também está contestando uma nova lei russa que obriga os produtores estrangeiros a adicionar uma referência a "vinho espumante" em suas garrafas, enquanto os fabricantes russos de "shampanskoye" podem continuar a usar esse termo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos