Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.961,69
    -1.613,78 (-1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.770,43
    +96,13 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,19
    -0,34 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.780,30
    -7,80 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    19.387,64
    -21,38 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,64
    +16,04 (+4,40%)
     
  • S&P500

    3.615,26
    -23,09 (-0,63%)
     
  • DOW JONES

    29.584,21
    -326,16 (-1,09%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.267,25
    +9,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3884
    +0,0138 (+0,22%)
     

União pode economizar R$ 8,5 mi com compra centralizada de softwares

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

A União pretende economizar cerca de R$ 8,5 milhões com a compra centralizada de softwares para 55 órgãos, informou hoje (10) o Ministério da Economia. O pregão eletrônico foi publicado na edição de hoje (10) do Diário Oficial da União.

Ao todo, a pasta deve desembolsar R$ 41 milhões. Responsável por centralizar a licitação, a Secretaria de Gestão do Ministério da Economia informou que a economia virá tanto da redução de custos com processos de aquisição como com a obtenção de descontos vinda da centralização da compra em maiores volumes.

Outra economia indireta será obtida com a virtualização dos softwares no Poder Executivo Federal. O governo pretende criar versões virtuais de servidores que possam ser usadas em conjunto por vários órgãos, sem a necessidade de investimentos em máquinas físicas que não compartilham recursos de tecnologia da informação.

Um ganho adicional, explicou a Secretaria de Gestão, será o fornecimento do direito de atualização e de suporte dos softwares pela empresa vencedora. O próprio edital estabelece essa obrigação nas propostas, o que elimina a necessidade de o governo executar gastos adicionais quando uma versão de software apresenta problemas ou é atualizada.