Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.570,26
    +639,78 (+2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

União monetária na América do Sul? Pode esperar sentado

Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e o presidente da Argentina, Alberto Fernandez, participam de cerimônia no palácio presidencial Casa Rosada, em Buenos Aires, Argentina

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK (Reuters) - Não é provável que a América do Sul tenha um bloco com moeda comum para rivalizar com o euro tão cedo, disseram analistas nesta segunda-feira, apesar das animadas especulações depois que autoridades do Brasil e da Argentina levantaram a perspectiva de uma "moeda comercial" compartilhada.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente da Argentina, Alberto Fernández, disseram nesta segunda-feira que estavam em negociações iniciais para estabelecer uma unidade de valor compartilhada para o comércio bilateral, embora isso não substitua o real ou o peso.

O tema criou turbulência nos últimos dias depois que um artigo assinado por Lula e Fernández falou em discussões sobre uma moeda comum para transações comerciais e financeiras, o que foi mal interpretado como ideia para criar uma moeda corrente única.

Os analistas foram rápidos em derrubar a expectativa, após décadas de conversas semelhantes sem avanços, incluindo planos arquivados para um chamado "gaúcho" para o comércio Argentina-Brasil em 1987 e uma defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro por uma união monetária em 2019.

"Estou muito cético de que essa iniciativa verá a luz do dia", disse Alejo Czerwonko, diretor de investimentos para mercados emergentes das Américas do UBS Global Wealth Management, citando o histórico da região em integração econômica. "Falhou em alcançar objetivos de integração mais simples do que uma moeda comum."

Uma moeda comum, como o euro, precisaria de estruturas e instituições políticas compartilhadas que, segundo analistas, levariam décadas para serem estabelecidas. Os países da América do Sul têm situações econômicas muito diferentes -- a Argentina, por exemplo, luta contra a inflação há muito tempo e atualmente está com uma taxa anual de 95%.

A Venezuela --cujo presidente Nicolás Maduro disse na segunda-feira que seu país estava preparado para apoiar uma iniciativa como uma moeda comum-- sofre com uma hiperinflação ainda maior e com o colapso econômico. Outras economias sul-americanas, incluindo Uruguai e Chile, estão mais estáveis há muito tempo.

"É uma conversa há muitos anos. Vejo o benefício para a Argentina, mas o que há para o Brasil? Muito menos para o Uruguai e o Paraguai", disse Eric Farnsworth, vice-presidente do Conselho das Américas e da Americas Society.

Farnsworth chama a ideia de uma união monetária de "fantasia".

Kimberley Sperrfechter, economista de mercados emergentes da Capital Economics, disse que Lula tem outras coisas em que se concentrar, incluindo seus planos econômico e fiscal. A conversa sobre a união monetária era apenas uma distração, disse.

"É provável que os mercados não fiquem impressionados com as notícias de uma moeda combinada, até porque levará anos para ser implementada, se é que será implementada", disse.

Enquanto isso, na Argentina, as eleições gerais de outubro podem levar Fernández, de esquerda, a ser derrotado por uma oposição conservadora ressurgente, provavelmente prejudicando qualquer plano cambial de longo prazo com o governo Lula.

Todd Martinez, diretor do grupo para assuntos da América Latina da Fitch Ratings, disse que os dois países parecem ser parceiros improváveis para formar uma união monetária bem-sucedida, dadas suas economias divergentes.

Hasnain Malik, chefe de pesquisa de ações da Tellimer, concordou, enfatizando que fazia ainda menos sentido para o Brasil -- a maior economia da região, com uma moeda que superou o desempenho do dólar no ano passado. O peso da Argentina, por outro lado, caiu apesar dos rígidos controles cambiais.

"Para o Brasil em particular, apesar de seus próprios desafios de credibilidade em políticas econômicas, ninguém sabe por que deseja se vincular a um vizinho menor com um histórico tão duvidoso de credibilidade política", disse ele em nota.

Mas alguns estavam mais otimistas sobre o potencial de longo prazo.

"O processo de integração da América Latina precisa de uma Estrela do Norte -- e esta é a melhor possível, porque criaria um mercado único maior e melhores condições de negociação com outros grandes blocos", escreveu Pierpaolo Barbieri, chefe da empresa argentina de pagamentos digitais Uala, no Twitter.

"É claro que uma união monetária entre Brasil e Argentina é irreal hoje."

(Reportagem de Rodrigo Campos; Reportagem adicional de Bansari Kamdar, Adam Jourdan, Carolina Pulice)