Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,44
    -0,22 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    31.601,36
    -4.118,77 (-11,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    762,93
    -87,41 (-10,28%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.134,25
    +4,25 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9715
    -0,0038 (-0,06%)
     

União Europeia tem alternativa para evitar quebra de patentes de vacina da COVID

·2 minuto de leitura

Na luta contra o coronavírus SARS-CoV-2, nações disputam a compra de um estoque limitado de vacinas para imunizar as suas populações. Neste cenário, países emergentes, como a Índia e a África do Sul, defendem a quebra de patentes de imunizantes contra a COVID-19, por três anos, na OMC (Organização Mundial do Comércio). Países como os Estados Unidos e a China, já sinalizaram apoio à medida. Agora, a União Europeia (UE) trabalha em uma alternativa que também protegeria as farmacêuticas.

Para lidar com a falta de vacinas contra a COVID-19, a UE não defende a suspensão temporária das patentes dos imunizantes, mas aposta em acordos de licenciamento entre as empresas farmacêuticas e os países que precisam de imunizantes. Segundo as nações europeias, a quebra de patentes não implicará na maior oferta de imunizantes em outros países, porque é um processo complexo.

Para a questão da falta de vacinas contra a COVID-19, UE tem uma nova proposta (Imagem: Reprodução/Diana Polekhina/Unsplash)
Para a questão da falta de vacinas contra a COVID-19, UE tem uma nova proposta (Imagem: Reprodução/Diana Polekhina/Unsplash)

Além disso, a ideia dos países europeus é que, antes de propor a quebra da patente de vacinas, governos em desenvolvimento devem negociar acordos de licenciamento voluntário com o setor privado. Em outras palavras, é esperado que os desenvolvedores cedam os conhecimentos para a produção nacionalizada, desde que seja remunerado, a partir do valor que o produto genérico seja distribuído.

Ainda na proposta alternativa, a UE defende que "os países produtores de vacinas deveriam exportar uma parte justa de sua produção interna". Outro ponto importante é "encorajar e incentivar fortemente os fabricantes e desenvolvedores de vacinas a expandir a produção e garantir o fornecimento adequado e acessível de vacinas a países de baixa e média renda durante a pandemia". Isso significa que as doses não devem ser, exclusivamente, direcionadas para a população interna dos países produtores ou nações desenvolvidas.

"Soluções voluntárias e cooperação público-privada são a forma mais eficaz de garantir o acesso equitativo global aos tratamentos e vacinas da COVID-19 no menor tempo possível", argumenta a UE. Agora, os países europeus buscam aliados para apoiar esse projeto na OMC, como o Brasil. De acordo com apuração do UOL, o Itamaraty avalia patrocinar a ideia.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos