Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.686,12
    +1.505,29 (+2,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

União Europeia propõe nova lei para regular uso de IA e reconhecimento facial

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

A União Europeia está criando um projeto de lei para limitar uso de sistemas de inteligência artificial e reconhecimento facial para uso policial, vigilância e em outros setores da sociedade. O objetivo da Comissão Europeia é regular aplicações do setor consideradas de alto risco.

A proposta foi apresentada nesta quarta-feira (21) e busca discutir uso de IA para setores como segurança, infraestrutura de pontos críticos da sociedade e governo, admissão em vestibulares para universidades, além de aceite para empréstimos. O ponto mais crítico é o de uso de IA para força policial.

A proposta de lei, ainda, quer definir uma multa que pode chegar a 6% da receita global da empresa, no caso de punições mais severas.

“Nossas regras visam riscos sociais e humanos associados a usos específicos de IA. Acreditamos que isso é urgente. Somos os primeiros no planeta a sugerir esta estrutura legal”, explica Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia.

Isso não significa que os softwares e programas de IA vão ter de ser modificados do nada. Como projeto de lei, a proposta ainda precisa ser apreciada pelos governos dos 27 países que compõem a União Europeia para, então, passar a valer.

A disputa é polêmica. Por um lado, defensores de direito digital acreditam que a regulamentação pode ajudar a suprimir possíveis exageros de empresas de tecnologia com seus mecanismos.

Por outro, líderes do setor temem que a alta regulação possa abrir espaço para avanços de tecnologias da China e os Estados Unidos que não devem ser desenvolvidos com o mesmo rigor.

Ainda não há data para nova apreciação do tema, sendo que o processo ainda deve demorar meses para ser concluído.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: