Mercado fechará em 4 h 37 min
  • BOVESPA

    103.981,55
    +1.757,29 (+1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,79
    +4,64 (+6,81%)
     
  • OURO

    1.789,20
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    57.232,02
    +2.839,47 (+5,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,38
    -21,03 (-1,44%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.159,96
    +115,93 (+1,65%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.237,25
    +186,25 (+1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3037
    -0,0448 (-0,71%)
     

União Europeia e EUA vão pressionar G20 por doação de vacinas

·2 min de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse nesta segunda (18) que a União Europeia e o governo americano vão pressionar os países do G20 a elevarem a doação de vacinas anti-Covid para países mais pobres, para imunizar 70% da população mundial até o final de 2022.

Os líderes de 19 países --entre as maiores economias globais-- e da UE se reúnem no final deste mês, em Roma.

Von der Leyen afirmou que a UE já doou 87 milhões de doses até agora ao consórcio Covax, que adquire e distribui fármacos para 144 países, e anunciou a doação de mais 500 milhões no próximo ano.

No mês passado, o presidente americano, Joe Biden, já havia anunciado também a doação de mais 500 milhões de doses, o que elevará a 1 bilhão o número de doses enviadas a outros países.

"Mas outros países também precisam avançar. Trabalho em estreita colaboração com o primeiro-ministro [da Itália, Mario] Draghi e o presidente Biden para reunir os líderes do G20 na cúpula de Roma, na próxima semana, por trás desse objetivo ambicioso: vencer a pandemia global."

Von der Leyen afirmou que, além das doações, a UE exportou metade das vacinas fabricadas no continente, enviando mais de 1 bilhão de doses a mais de 150 países --entre eles, ela citou Japão, Turquia, Reino Unido, Nova Zelândia, África do Sul e Brasil.

Como lembram os dirigentes da OMS (Organização Mundial da Saúde), a distribuição desigual das vacinas não é só uma preocupação regional ou altruísta: é um fenômeno que pode comprometer o controle da pandemia no mundo todo, incluindo nos países ricos, porque quanto mais o vírus circula descontroladamente, maior é o risco de que surjam variantes mais perigosas e resistentes à vacina.

Em maio deste ano, as nações desenvolvidas --com 15% da população mundial-- concentravam quase metade das vacinas disponíveis. Enquanto um terço de seus habitantes havia recebido ao menos uma dose, nas nações pobres a proporção era de apenas 0,2%.

A doação de imunizantes também se tornou uma forma de diplomacia. Além dos EUA que anunciaram o repasse de doses para a comunidade internacional, em junho, o Reino Unido também informou que doaria 100 milhões de imunizantes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos