Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.507,30
    +1.792,10 (+3,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

União conta com R$25 bi de capitalização da Eletrobras; diluirá fatia a 45%

Luciano Costa
·2 minuto de leitura
Edifício que sedia a Eletrobras, no Rio de Janeiro (RJ)

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A oferta de ações prevista na privatização da Eletrobras deve levantar ao menos 25 bilhões de reais para que a empresa pague esse montante em outorgas ao governo pela renovação de contratos de hidrelétricas e linhas de transmissão, disse à Reuters o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Rodrigo Limp, nesta quarta-feira.

Depois da operação, que o governo pretende viabilizar com uma medida provisória entregue na terça-feira pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso, a Eletrobras ainda terá a obrigação de direcionar outros 25 bilhões de reais para aliviar tarifas nos próximos anos, acrescentou ele.

A previsão é que, com parte da maior receita gerada pelos novos contratos, de 30 anos, a companhia faça aportes anuais para amortecer as contas de luz a partir de 2022, depois da efetiva desestatização, mas ainda não há uma projeção sobre o impacto para os consumidores.

O fluxo financeiro será destinado à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), um fundo setorial abastecido por encargos cobrados nas contas de luz que banca diversas políticas públicas e subsídios.

Mas o ritmo em que isso vai se dar será definido pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), explicou Limp.

"Eu diria que a MP agora tem um foco muito maior no consumidor de energia e na realização de investimentos. Porque ele diminui o aspecto arrecadatório e fiscal e direciona mais recursos para os consumidores (em relação ao projeto de lei enviado ao Congresso em 2019)."

O governo deve ficar com uma fatia direta e indireta na companhia de cerca de 45% após a privatização, que ocorreria por meio de uma emissão de novas ações em que a União acabaria diluída, segundo Limp. Também pode haver venda direta de ações numa oferta secundária, mas isso não está definido.

"Apesar de diminuir o percentual e (não ter) o controle da empresa, o valor em reais desse percentual passa a ser bem maior que o atual. Hoje a União tem, mais o BNDES, 61% da Eletrobras. Isso equivale a 30 bilhões de reais. Com a capitalização a gente espera que fique com 45%, e esses devem valer cerca de 60 bilhões", disse ele, citando a valorização esperada das ações durante o processo.

"Já é um ganho para a União. Isso fortalece o mercado de capitais, porque teremos uma corporação, a maior empresa de energia renovável da América Latina... um modelo de gestão alinhado com as principais empresas de energia do mundo. É benéfico em vários aspectos."

Os valores são estimativas preliminares e ainda dependem de estudos do BNDES sobre a desestatização e de uma posterior decisão do CNPE sobre as premissas a serem levadas em conta na transação, acrescentou o secretário.