Mercado fechará em 2 h 5 min
  • BOVESPA

    112.915,62
    +1.626,44 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.241,63
    +204,58 (+0,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,23
    -0,12 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.793,80
    -35,90 (-1,96%)
     
  • BTC-USD

    36.569,66
    -1.598,75 (-4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    837,69
    +18,19 (+2,22%)
     
  • S&P500

    4.402,64
    +52,71 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.646,63
    +478,54 (+1,40%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.322,75
    +164,25 (+1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0376
    -0,0688 (-1,13%)
     

Unesp vai oferecer bolsa para alunas que se tornarem mães na pós ou na graduação

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Unesp (Universidade Estadual Paulista) vai oferecer a partir do próximo ano bolsas para alunas que se tornarem mães durante a pós-graduação ou a graduação. Elas receberão o pagamento pelo período de seis meses.

A iniciativa, em caráter emergencial, faz parte de um plano da universidade para evitar a evasão das mulheres na comunidade acadêmica e científica após a maternidade. A concessão de bolsas irá acontecer primeiro como um projeto-piloto.

"Essa é uma primeira resposta que estamos dando para uma situação que há anos afeta as mulheres. A carreira científica pune a mulher pela maternidade, porque não há nenhuma proteção quando ela se torna mãe", diz Maria Valnice Boldrin, pró-reitora de Pós-Graduação da Unesp.

Para essa primeira experiência, a universidade destinou R$ 300.000 para o pagamento das bolsas por seis meses. Alunas da graduação receberão R$ 400 mensais e as pós-graduandas, R$ 1.500.

As inscrições começaram nesta quinta (30), mas o edital terá fluxo contínuo no próximo ano, até o limite de gastos. Ou seja, assim que as alunas tiverem filho ou adotarem, elas podem se inscrever para receber a bolsa.

Assim como em outras universidades públicas do país, as mulheres são a maioria no corpo discente da Unesp, mas a proporção se reduz no quadro de professores. Em 2021, elas representam 50,7% dos estudantes de graduação e 54,5% de pós-graduação, mas são apenas 40% dos docentes.

Nos últimos cinco anos, 156 professoras da universidade tiraram licença-maternidade e 32 não retornaram ao trabalho -ou seja, mais de 20% deixou a vida acadêmica após se tornar mãe.

"É um dado que nos deixou muito alarmados, porque se tratam de docentes que receberam o recurso financeiro para o período da licença-maternidade e mesmo assim se afastaram da universidade. Para as alunas, a situação é ainda pior já que não têm nem mesmo o suporte financeiro", diz Boldrin.

Ela lembra que, desde 2019, Capes, CNPq, e Fapesp, principais agências de fomento à pesquisa do país, passaram a prorrogar as bolsas por quatro meses nos casos de licença maternidade. No entanto, como o auxílio só é pago a uma pequena parcela dos pesquisadores e estudantes, muitas alunas ficam sem qualquer apoio financeiro ao se tornarem mães.

Na Unesp, das 53 pós-graduandas que se afastaram nos últimos cinco anos por licença-maternidade, apenas 35% recebiam bolsa das agências de fomento.

"Estamos dando um primeiro passo com ajuda financeira, porque a maioria delas fica completamente desamparada pela comunidade acadêmica ao se tornar mãe, mas outras discussões são importantes, por exemplo, como mudar a cobrança por produtividade e os prazos do mundo científico."

A Unesp também deve votar nas próximas semanas uma minuta determinando que as mulheres não podem perder o vínculo com os programas de pós-graduação por ao menos seis meses após a maternidade. "Hoje, as mulheres correm o risco de serem desligadas por não acompanhar as atividades nesse período ou não conseguir cumprir os prazos de produção científica. É um absurdo", diz Boldrin.

Demanda antiga de cientistas brasileiras para que as regras se tornem mais compatíveis com a maternidade, as mudanças nas principais instituições de pesquisa e fomento do país só começaram a ocorrer nos últimos dois anos.

Somente em abril deste ano, o currículo Lattes passou a ter um campo para que as pesquisadoras possam indicar períodos de licença-maternidade. Até então, as mulheres apresentavam a informação sobre filhos de forma improvisada para justificar as pausas na sua formação e produção acadêmica.

"Em todo o mundo está ocorrendo esse movimento para que a comunidade acadêmica seja menos excludente com as mulheres, menos punitiva com quem está criando uma criança. Tivemos diversas gerações de pesquisadoras prejudicadas, imagine quantas cientistas e descobertas perdemos por essa exclusão", diz Boldrin.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos