Mercado abrirá em 5 hs
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,73
    +1,23 (+2,00%)
     
  • OURO

    1.754,70
    +25,90 (+1,50%)
     
  • BTC-USD

    46.374,93
    +1.741,28 (+3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    926,78
    -6,36 (-0,68%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.429,12
    +448,91 (+1,55%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.109,00
    +198,00 (+1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7559
    -0,0024 (-0,04%)
     

Uma dose de vacina Pfizer dá proteção de 65%, indica Reino Unido

Timothy Ross e Emily Ashton
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Uma dose da vacina Pfizer-BioNTech oferece proteção de 65% contra o coronavírus, segundo sugerem dados do governo do Reino Unido.

Dados preliminares do programa de vacinação do Reino Unido, que devem ser divulgados nos próximos dias, mostram que a primeira dose reduziu o risco de infecção sintomática entre pacientes em 65% para adultos jovens e em 64% para maiores de 80 anos, disse uma pessoa a par do assunto.

Os dados, divulgados pela primeira vez pelo jornal The Sun, mostraram que duas doses da vacina da Pfizer aumentaram a proteção para 79% a 84%, dependendo da idade. A vacina da AstraZeneca oferece proteção semelhante, disse o jornal.

Embora os resultados de eficácia sejam inferiores aos encontrados nos ensaios clínicos da Pfizer, o governo de Boris Johnson deve promover os primeiros dados do mundo real do Reino Unido como um impulso significativo para seus esforços de imunizar a população. Uma vacinação em massa bem-sucedida é fundamental para os planos do governo de reabrir a economia após meses de restrições.

Mais de 12,6 milhões de pessoas no Reino Unido receberam até agora as primeiras doses da vacinas da Pfizer ou da Oxford-AstraZeneca, de acordo com dados mais recentes publicados na terça-feira. O número inclui mais de 90% dos maiores de 80 anos.

Johnson tem como meta imunizar quase 15 milhões de pessoas até 15 de fevereiro, com foco nos grupos mais vulneráveis e cuidadores. Depois disso, sua equipe irá avaliar quando e como começar a suspender o terceiro lockdown nacional do Reino Unido, que está em vigor há um mês e agravou a crise econômica causada pela pior recessão do país em mais de 300 anos.

A partir de 8 de março, escolas podem começar a reabrir, o que será seguido pela flexibilização de outras restrições. Mas, embora a vacinação no Reino Unido seja uma das mais avançadas do mundo, a grande dúvida é se as vacinas permanecerão eficazes contra novas variantes do coronavírus.

Nesta semana, Johnson procurou tranquilizar a população sobre a eficácia das vacinas para prevenir casos mais graves e mortes causadas pela variante sul-africana. Alguns cientistas temem que a cepa tenha se espalhado pelo Reino Unido e possa inviabilizar o plano de suspensão das restrições.

Os dados da vacinação no mundo real das duas vacinas do Reino Unido serão essenciais para determinar a rapidez com que o governo pode começar a flexibilizar o lockdown.

Paul Hunter, professor de medicina da Universidade de East Anglia, disse que os resultados preliminares foram “bastante surpreendentes” e acredita que seria possível uma suspensão gradual das restrições, começando com as escolas, a partir do início de março.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.