Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.334,49
    -775,95 (-1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Uma a cada quatro pessoas terá problemas auditivos em 2050, adverte OMS

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Entrada da sede da OMS, em Genebra

Cerca de 2,5 bilhões de pessoas no mundo, ou uma a cada quatro, terá problemas auditivos em 2050 no mundo, aponta um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado nesta terça-feira, que destaca a "necessidade de intensificar rapidamente a prevenção e o tratamento da perda de audição".

"Ao menos 700 milhões de pessoas precisarão de acesso aos cuidados da orelha e do ouvido, e aos serviços de reeducação", adverte a organização. "Entre as crianças, cerca de 60% da perda auditiva pode ser evitada com a vacinação contra a rubéola e a meningite, a melhora dos cuidados maternos e neonatais ou o diagnóstico e tratamento precoce da otite média", assinala o primeiro relatório mundial da OMS sobre problemas auditivos.

Entre os adultos, para evitar a perda auditiva recomenda-se evitar barulhos, observar os medicamentos danosos para os ouvidos e a adoção de uma boa higiene. "Uma perda auditiva não tratada pode ter um impacto devastador na capacidade da pessoa de se comunicar, estudar ou trabalhar. Também pode ter impacto em sua saúde mental e sua capacidade de se relacionar", alertou o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus.

Segundo o relatório, a falta de informação clara sobre esses problemas e a estigmatização dos que sofrem com os mesmos "limitam com frequência o acesso aos cuidados". A organização insiste na necessidade de realizar diagnósticos "em momentos estratégicos da vida", e lembra que a maioria das doenças auditivas podem ser curadas com tratamento médico ou cirúrgico.

O relatório aponta a falta de especialistas em países menos desenvolvidos e destaca a "distribuição desigual" desses médicos nos países mais ricos. A OMS pede aos Estados que ampliem o acesso aos cuidados auditivos, um investimento rentável, uma vez que "os governos podem esperar um retorno do investimento de cerca de 16 dólares por dólar investido".

lc/cel/it/af/yow/lb