Mercado fechará em 2 h 42 min
  • BOVESPA

    112.152,52
    -459,12 (-0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.217,33
    -248,69 (-0,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,74
    +1,13 (+1,30%)
     
  • OURO

    1.783,80
    -11,20 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    37.252,86
    +709,50 (+1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    844,95
    +2,49 (+0,30%)
     
  • S&P500

    4.365,44
    +38,93 (+0,90%)
     
  • DOW JONES

    34.236,19
    +75,41 (+0,22%)
     
  • FTSE

    7.448,40
    -105,91 (-1,40%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.132,00
    +145,25 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0212
    -0,0028 (-0,05%)
     

Ana Baird celebra Nicole em 'Um Lugar ao Sol' e cita impactos da gordofobia

·6 min de leitura
*ARQUIVO* RIO DE JANEIRO, PARATY, 30.06.2016:  Carol Castro -   PRIMEIRO DIA DA FLIP Em Paraty - RJ.    (Foto: Bruno Poletti/Folhapress)
*ARQUIVO* RIO DE JANEIRO, PARATY, 30.06.2016: Carol Castro - PRIMEIRO DIA DA FLIP Em Paraty - RJ. (Foto: Bruno Poletti/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ser filha dos atores Antônio Pedro, 81, e Margot Baird, 76, fez com que seguir a carreira artística fosse uma coisa natural para Ana Baird. Tudo começou quando ainda era uma menina de cinco anos, matriculada no balé clássico após dizer ao pai que queria ser atriz. Para ele, esse era um pré-requisito.

Quarenta e seis anos depois, Ana, 51, se delicia com seu trabalho de maior destaque. Ela dá vida a Nicole, uma mulher vítima de gordofobia dentro e fora de casa, e que se vê envolta em inseguranças e desentendimentos em "Um Lugar ao Sol" (Globo), de Lícia Manzo, que ocupa hoje horário nobre na Globo.

Baird estava longe das novelas havia 30 anos quando chegou o convite, "lá por volta de 1915, antes da pandemia", brinca a atriz em conversa por telefone. Com muita simpatia e risadas a todo tempo, a atriz conta que até duvidou quando viu a mensagem de Maurício Farias, diretor artístico da trama, no celular.

"Foi um negócio tipo, meu Deus do céu. Uau! Nessa altura do campeonato... Uma loucura. Muito bom, não esperava mesmo", afirma em tom empolgado e sem pausas na fala. Ela até havia mandado seus dados atualizados à produtora de elenco Andrea Imperatore, mas não sabia em que projeto ela atuava.

O convite obviamente foi aceito. Vieram encontros com o elenco, leituras de texto, e de repente: a pandemia. Ana Baird diz que foi outra loucura, mas também vê pontos positivos na paralisação que pegou a produção de surpresa no início de 2020. "Foi bom para acalmar minhas expectativas, tive mais tempo para entender isso", diz

No final, as gravações se estenderam por mais de um ano, passando por dois período de paralisação devido a agravamentos da pandemia, e muitos protocolos sanitários, que chegaram a mudar algumas vezes nesse período. Para Baird, uma situação que aproximou mais os atores. "A gente só vivia aquilo."

Ao ser questionada sobre as parcerias formadas no set, a atriz é só elogios a Alinne Moraes, 38, e Andrea Beltrão, 58. As três são irmãs na trama, que vivem uma relação bem típica de irmãos, com muita cumplicidade, mas também com muitos atritos. O pai desse trio é Santiago, vivido por José de Abreu, 75.

E muitos dos atritos envolvendo Nicole e sua família giram em torno de seu peso. Se por um lado Bárbara (Alinne Moraes) a constrange com censuras aos seus hábitos alimentares, por outro é ela também que defende a irmã do pai, que a classifica como preguiçosa e sem vontade para emagrecer.

Baird afirma que emprestou a Nicole muito de suas experiências, já que tem o mesmo "tamanho da personagem" e também muito das consequências que a gordofobia deixa. E para a atriz, isso aparece na forma dos rompantes e ataques que a personagem tem, principalmente, contra seus familiares.

"Nicole é crítica, fala as coisas, chega a ser grosseira às vezes. Mas é por causa de um lugar dolorido que ela tem. Achei muito importante a personagem trazer essa dor. As pessoas têm que saber o impacto do que elas falam. As pessoas praticam gordofobia com o pretexto de ajudar, só que isso não ajuda."

"As pessoas falam 'quero o melhor para você', mas não! Não é assim que você vai me ajudar", continua. "Não é querendo que eu mude meu corpo que você vai me ajudar. Existe a questão de saúde? Sim. Algumas pessoas gordas têm problemas de saúde, mas não são todas. Então colocar a pessoa gorda num lugar de doença é a questão."

E para mostrar que gordo não é doente, a atriz teve a ajuda do figurinista Antônio Medeiros, que lhe garantiu "looks bafônicos". "Nicole se veste muito bem e isso ajuda muito. Apesar de ela passar por aquilo tudo, tem algum lugar de aceitação ali dentro dela. O que para mim foi muito legal de mostrar. Mostrar meu corpo, mostrar minhas pernas, mostrar quem eu sou, esse é meu corpo e está tudo bem."

Apesar disso, Baird diz que Nicole "vai sofrer um pouco ainda" na trama de "Um Lugar ao Sol". E a reviravolta virá apenas quando a personagem iniciar um romance com Paco (Otávio Müller), um dublador, como ela, mas que diferente da personagem dela aceita muito bem seu corpo, mesmo estando acima do peso.

TEATRO, TERAPIA E LADO B

Apesar de ter iniciado sua "preparação" para ser atriz aos cinco anos, com aulas de balé clássico, Ana Baird fez sua estreia aos sete, na peça "Os Saltimbanco". A irmã, Alice Borges, na época com 11 anos, estava lá ao seu lado. Mas antes disso, as duas já estavam nos palcos, na coxia, na plateia e em todas as partes do teatro.

Morando com o pai, ela conta que ia para o teatro nas noites em que ele não tinha com quem deixar ela e a irmã. E mesmo dentro de casa, ela estava rodeada pelo teatro. Tinha ensaios constantes, leituras na sala de estar e purpurina de figurinos por todo lado, até dentro da geladeira. "Uma maluquice", afirma ela.

As novelas, no entanto, foram poucas: "Final Feliz" (Globo, 1982), quando tinha entre 12 e 13 anos, e depois "Que Rei Sou Eu" (Globo, 1989) e "Sexo dos Anjos" (Globo, 1989-1990), já por volta dos 19 anos. Depois veio um hiato de 30 anos, onde a atriz focou o teatro, a música e se deu ao direito até mesmo de "chutar o balde".

"Eu sinto que não estava nesse lugar [fazendo novelas] porque não me permiti estar. E talvez o mundo não estive pronto também para ter uma mulher gorda em um lugar de destaque. Não tenho uma única explicação para esse tempo todo sem fazer novelas", afirma Baird que, nem por isso, parou de trabalhar no meio artístico.

Além das peças e músicas, ela afirma que sempre foi curiosa em relação a questões espirituais e de autoconhecimento, o que a levou a se formar em thetahealing, sendo hoje terapeuta e instrutora desse tipo de meditação, e a fazer mapa astral. "Me envolvi com muita coisa. Às vezes por necessidade, outras para abrir o meu leque."

"Ser uma atriz que não está em evidência por muitos anos pode ser desafiador. Tanto que chegou uma hora que desisti. Chutei o balde, me mudei para serra e abri um bar, chamado Lado B, fiquei dois anos trabalhando lá. Foi um sucesso, mas era um trabalho insano. É maneiro, mas, rapaz, que trabalheira", recorda.

Analisando esse período, Baird diz que foi dolorido e muito bom. "Tive distanciamento para olhar a carreira, o sucesso que eu projetava, se vinha e não vinha. No fim, não desisti da carreira artística, mas de uma expectativa que tinha em cima da profissão. Encontrei aceitação, fiquei tranquila, em paz, feliz".

Hoje, Baird permanece em Nova Friburgo, região serrana do Rio, mas não mais no Lado B. Vive com o marido, o músico Ricardo Ferraz, com quem está há mais de dez anos, e os dois gatos do casal. Busca financiamento para lançar sua peça, "Chave de Cadeia", e espera novas oportunidades, talvez novas novelas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos