Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.655,20
    +1.071,54 (+3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Um juiz não branco é nomeado para a Suprema Corte do Canadá pela primeira vez

·1 minuto de leitura
A sede da Suprema Corte do Canadá

O juiz Mahmud Jamal, de origem indiana, se tornou a primeira pessoa não branca a ser indicada para a Suprema Corte do Canadá nos 146 anos de história da instituição, anunciou o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, nesta quinta-feira (17).

"Estou confiante de que o juiz Jamal, com sua vasta experiência nas comunidades jurídica e acadêmica e sua dedicação em servir aos outros, será um recurso valioso para a mais alta corte de nosso país", declarou em um comunicado Trudeau, que se comprometeu a lutar contra o racismo nas instituições canadenses.

Em sua conta no Twitter, Trudeau comemorou uma "nomeação histórica".

Formado pela Universidade de Yale, nos Estados Unidos, Jamal exerceu a advocacia por quase um quarto de século no Canadá, argumentando 35 vezes perante a Suprema Corte sobre uma ampla gama de questões. Ele era juiz do Tribunal de Apelações de Ontário desde 2019.

Bilíngue (inglês e francês), Jamal também lecionou direito constitucional na Universidade McGill, em Montreal, e direito administrativo na Faculdade de Direito Osgoode Hall, em Toronto.

Nascido em Nairóbi, no Quênia, em 1967 em uma família originária da Índia, o juiz Jamal emigrou com sua família para o Reino Unido em 1969 e para o Canadá em 1981.

Em sua candidatura ao Supremo Tribunal Federal, ele afirmou que, quando criança, havia sido "provocado e assediado" por causa de seu nome, religião e cor de pele.

"Na escola, fui educado na religião cristã recitando o Pai Nosso e incorporando os valores da Igreja da Inglaterra. Em casa, fui educado como muçulmano memorizando as orações árabes do Alcorão e vivendo na comunidade ismaelita", escreveu.

“Como muitas outras pessoas, fui discriminado diariamente”, acrescentou.

Jamal substituirá Rosalie Silberman Abella, que deixará a Suprema Corte.

jl/et/led/gma/llu/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos