Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.583,28
    +129,12 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Ultraprocessados causaram 57 mil mortes no Brasil em um ano, revela estudo

No Brasil, o consumo de alimentos ultraprocessados foi associado à morte de 57 mil pessoas no ano de 2019, segundo estudo liderado por cientistas brasileiros e chilenos. No mesmo ano, o Atlas da Violência indica que foram registrados 45,5 mil homicídios em todo o país.

Publicado na revista científica American Journal of Preventive Medicine, o estudo sobre o impacto do consumo de ultraprocessados na mortalidade brasileira foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Universidad de Santiago de Chile.

"O consumo de alimentos ultraprocessados ​​representa uma importante causa de morte prematura no Brasil. A redução da ingestão de alimentos ultraprocessados ​​promoveria ganhos substanciais de saúde para a população e deveria ser uma prioridade da política alimentar para reduzir a mortalidade prematura", afirmam os autores do estudo.

Afinal, o que são alimentos ultraprocessados?

Consumo de alimentos ultraprocessados é associado a 57 mil mortes no Brasil em um ano (Imagem: Breakingpics/Pexels)
Consumo de alimentos ultraprocessados é associado a 57 mil mortes no Brasil em um ano (Imagem: Breakingpics/Pexels)

Por alimentos ultraprocessados, podemos entender "formulações industriais feitas tipicamente com cinco ou mais ingredientes [incluindo corantes, conservantes e aromatizantes]. Em geral, são pobres nutricionalmente e ricos em calorias, açúcar, gorduras, sal e aditivos químicos, com sabor realçado e maior prazo de validade", segundo o Guia Alimentar da População Brasileira, do Ministério da Saúde.

Entre os principais exemplos de comidas ultraprocessadas, estão:

  • Bolacha recheada;

  • Sorvete;

  • Sucos artificiais;

  • Embutidos;

  • Macarrão instantâneo;

  • Refrigerantes;

  • Salgadinhos;

  • Pão de forma;

  • Nuggets;

  • Salsichas.

Entenda o estudo sobre o impacto dos ultraprocessados na saúde

Pesquisas anteriores já relacionaram o consumo excessivo de ultraprocessados com aumento da obesidade — incluindo a infantil — e ainda a algumas doenças não transmissíveis, como diabetes, doenças cardiovasculares e câncer. Para chegar aos resultados do atual estudo, os cientistas criaram um modelo que engloba os riscos de consumo desta classe de alimentos e os associa com óbitos em geral.

“Há vários mecanismos pelos quais os ultraprocessados podem afetar a saúde: há discussões sobre mudanças na absorção dos nutrientes, além de evidências de que os ultraprocessados têm mecanismos inflamatórios e de que estão relacionados a alterações na microbiota intestinal", explica Eduardo Nilson, pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Nutrição e Saúde (Nupens) da USP e um dos autores do estudo, para O Joio e O Trigo.

"Há também o que chamamos de neocontaminantes, já que tanto o processo de fabricação quanto as embalagens dos ultraprocessados podem gerar ou introduzir contaminantes químicos nos alimentos”, acrescenta o pesquisador.

Mortes relacionadas ao consumo de ultraprocessados

Durante todo o ano de 2019, o Brasil registrou 541,1 mil mortes prematuras, ou seja, óbitos entre pessoas com 30 a 69 anos. Desse total, 57 mil (10,5%) foram associadas ao consumo de alimentos ultraprocessados, conforme aponta o modelo.

Observando com mais atenção dos dados sobre o impacto dos ultraprocessados, homens (60%) são os que mais morreram em consequência do consumo deste tipo de alimento. Quanto à faixa etária, os óbitos estão mais concentrados entre os que têm 50 e 69 anos (68%).

Para o futuro, a boa notícia é que estes valores não precisam se tornar uma regra e podem ser revertidos com a diminuição do consumo diário de ultraprocessados. "Reduzir a contribuição de alimentos ultraprocessados ​​para a ingestão total de energia em 10% a 50% poderia evitar 5,9 mil mortes a 29,3 mil mortes, respectivamente", pontuam os autores. A questão é que o consumo brasileiro pareca ir para o caminho oposto.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: