Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.600,48
    -658,16 (-1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

UE vai tomar emprestado cerca de 150 bi de euros anualmente para fundo de recuperação

Jan Strupczewski
·1 minuto de leitura
Johannes Han, comissário de Orçamento da UE

Por Jan Strupczewski

BRUXELAS (Reuters) - A Comissão Europeia planeja tomar emprestado cerca de 150 bilhões de euros anualmente até 2026 para financiar o plano sem precedentes do bloco de tornar sua economia mais verde e mais digitalizada, tornando-se o maior emissor de dívidas em euro, disse a Comissão nesta quarta-feira.

O valor do plano econômico da União Europeia (UE) ficou acordado em 750 bilhões de euros a preços de 2018, mas agora totaliza cerca de 807 bilhões de euros com valores atualizados.

O dinheiro é dividido em 338 bilhões de euros em subsídios, 386 bilhões em empréstimos para os 27 Estados-membros da UE e o restante vai para programas conjuntos do bloco. A quantia será distribuída ao longo dos próximos cinco anos, com um terço destinado à redução das emissões de CO2 nas 27 economias da união.

Cada um dos 27 Estados-membros pode obter 13% da sua parte do dinheiro em pré-financiamento este ano, antes que os projetos pagos pelo plano atinjam os marcos e metas estabelecidos.

O empréstimo começará assim que todos os 27 parlamentos nacionais ratificarem a decisão dos recursos próprios - lei que aumenta as garantias dos governos para o orçamento da UE de 1,4% para 2,0% da receita nacional bruta até 2058.

"Nossas estruturas estarão prontas até junho e, teoricamente, poderíamos começar a pedir empréstimos a partir de então, mas isso depende da rapidez com que os Estados-membros vão concluir o processo de ratificação", disse Johannes Han, comissário de Orçamento da UE, em entrevista coletiva.

(Reportagem de Jan Strupczewski)