Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.060,37
    +96,97 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

UE revisa previsão de crescimento da zona do euro em 2022 e vê desaceleração maior em 2023

Bandeira e notas de euro

BRUXELAS (Reuters) - A economia da zona do euro crescerá mais do que o esperado anteriormente em 2022, previu a Comissão Europeia nesta sexta-feira, e desacelerará mais do que se imaginava em 2023, mas a desaceleração afetará apenas ligeiramente os empregos ou as finanças públicas da região.

Em suas previsões econômicas regulares para os 19 países que compartilham o euro, a Comissão disse projetar que a economia irá contrair no último trimestre deste ano e continuará a encolher nos primeiros três meses de 2023, principalmente como resultado do aumento dos preços de energia causado pela invasão russa da Ucrânia.

Mas, além dos esperados dois trimestres de contração, configurando uma recessão técnica, a taxa de desemprego da zona do euro, o déficit agregado e a dívida ou o saldo em conta corrente não se deteriorarão em grande escala, se é que vão, mostraram as previsões.

"A economia da União Europeia mostrou grande resiliência aos choques causados (pela guerra). No entanto, os preços crescentes de energia e a inflação crescente estão agora cobrando seu preço e enfrentamos um período muito desafiador, tanto social quanto economicamente", disse o comissário econômico europeu, Paolo Gentiloni.

A Comissão previu que a economia da zona do euro crescerá 3,2% este ano, mais do que os 2,7% previstos em julho, mas depois desacelerará acentuadamente para 0,3% no próximo ano, bem abaixo da previsão de julho de 1,4%, antes de se recuperar 1,5% em 2024 .

Mas a forte desaceleração dificilmente afetará os empregos: a Comissão prevê que a taxa de desemprego subirá para 7,2% no próximo ano, de 6,8% este ano, antes de cair para 7,0% em 2024.

Além disso, o déficit orçamentário agregado da zona do euro pouco aumentará, chegando a 3,7% do PIB em 2023, de 3,5% observados este ano e depois caindo novamente para 3,3% em 2024.

A dívida pública deve continuar em queda para atingir 92,3% do PIB no próximo ano, de 93,6% neste ano e chegar a 91,4% em 2024.

A inflação, embora ainda alta, também desacelerará para 6,1% na zona do euro em 2023, de 8,5% este ano, e cairá ainda mais para 2,6% em 2024, disse a Comissão.

(Reportagem de Jan Strupczewski)