Mercado abrirá em 4 h 48 min
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,89
    -0,26 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.810,80
    -50,60 (-2,72%)
     
  • BTC-USD

    39.151,16
    -1.074,28 (-2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    972,51
    -19,96 (-2,01%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.164,36
    -20,59 (-0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.511,63
    +74,79 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.903,75
    -77,50 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0691
    +0,0071 (+0,12%)
     

UE respaldará cinco tratamentos mais eficazes contra a chamada 'covid longa'

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Frasco do medicamento Remdesivir

A União Europeia (UE) lançou nesta quinta-feira (6) dispositivos para fomentar o desenvolvimento de tratamentos para a covid-19, incluindo os sintomas persistentes e incapacitantes da chamada "covid longa", com vista a autorizar até cinco novos tratamentos eficazes até ao final do ano.

Esta estratégia inclui o apoio financeiro à investigação e flexibilização regulatória e deverá permitir que três novos tratamentos contra a covid-19 sejam autorizados até outubro de 2021 e possivelmente mais dois até ao final do ano, de acordo com a Comissão Europeia.

Até agora, apenas um tratamento anticovid específico foi aprovado na UE, baseado no antiviral Remdesivir.

No entanto, entre 10% e 15% dos pacientes com covid-19 sofrem posteriormente sintomas de longa duração, tais como distúrbios respiratórios e digestivos, fadiga intelectual extrema, dor, confusão, etc.

Esses problemas podem afetar de maneira mais ou menos grave a vida pessoal e profissional do paciente, mas suas razões fisiológicas permanecem pouco conhecidas, o que torna o tratamento médico muito difícil.

"Os cientistas dizem que é provável que a covid-19 se torne endêmica, ou seja, um vírus que circula entre nós e com o qual temos que conviver, como a gripe (...). Temos que controlá-lo e minimizar seu impacto", declarou à imprensa a comissária europeia para a Saúde, Stella Kyriakides.

Para esta responsável, as vacinas não podem ser as únicas armas disponíveis para enfrentar a pandemia.

Bruxelas pretende estabelecer antes de julho um mecanismo "para apoiar os tratamentos mais promissores, da pesquisa pré-clínica até a autorização de comercialização", num trabalho associado à Autoridade Europeia de Preparação e Resposta a Emergências de Saúde (HERA).

Este mecanismo vai garantir "a coordenação de todos os projetos de investigação sobre tratamentos e vai contribuir para o seu desenvolvimento", afirmou a Comissão Europeia, sem fornecer informações mais específicas.

A Comissão pretende investir 90 milhões de euros em "estudos demográficos" e ensaios clínicos, para além de outros 5 milhões de euros para melhorar a recolha de dados de ensaios, e um montante semelhante para analisar os processos de fabrico de medicamentos.

Os valores ainda são relativamente modestos em comparação com os valores investidos no ano passado no desenvolvimento das vacinas contra o novo coronavírus, mas devem permitir "montar um portfólio de 10 tratamentos potenciais para combater a covid-19 e identificar os cinco mais promissores antes de junho".

jug/ahg/mb/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos