Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,28
    +0,40 (+0,56%)
     
  • OURO

    1.868,20
    +2,30 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    40.636,66
    +1.552,42 (+3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.015,47
    +46,63 (+4,81%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.408,24
    +246,44 (+0,85%)
     
  • NASDAQ

    14.138,50
    +13,75 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1443
    +0,0128 (+0,21%)
     

UE quer que empresas de tecnologia controlem monetização com desinformação

·1 minuto de leitura

Por Foo Yun Chee

BRUXELAS (Reuters) - Facebook, Google e outros gigantes da tecnologia terão que se comprometer a frear a monetização da desinformação por meio de veiculação de anúncios, de acordo com o código melhorado de prática da Comissão Europeia contra notícias falsas.

As preocupações sobre o impacto da desinformação intensificaram-se em meio à pandemia de Covid-19 e às denúncias de fraude eleitoral nos Estados Unidos, com alguns críticos apontando para o papel das mídias sociais e gigantes da tecnologia na disseminação de fake news.

O braço executivo da União Europeia disse que as orientações não vinculativas reforçadas estabeleciam um quadro de monitoramento robusto e indicadores de desempenho claros para as empresas a cumprir, confirmando reportagem exclusiva da Reuters em 19 de maio.

"A desinformação não pode continuar sendo uma fonte de receita. Precisamos ver compromissos mais fortes por parte das plataformas online, todo o ecossistema de publicidade e redes de verificadores de fatos", disse o chefe da indústria da UE, Thierry Breton, em um comunicado.

A vice-presidente da Comissão para Valores e Transparência, Vera Jourova, disse que o problema era urgente devido à rápida evolução das ameaças representadas pela desinformação online.

Signatários do código, que foi introduzido em 2018, incluem o Google, Facebook, Twitter, Microsoft, Mozilla, TikTok e alguns grupos de lobby de publicidade e tecnologia.