Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.166,05
    +3.234,36 (+9,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1923
    +0,0388 (+0,63%)
     

UE quer conter apetite de grupos chineses por empresas europeias

·3 minuto de leitura
Dois vice-presidentes da Comissão Europeia, Margrethe Vestager e Valdis Dombrovskis, e o comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton, apresentam projeto para conter o apetite das empresas chinesas por empresas europeias

A Comissão Europeia propôs, nesta quarta-feira (5), dotar-se de novos poderes para bloquear uma aquisição ou acesso a contratos públicos se uma empresa estrangeira for fortemente subsidiada, um regulamento que, sem citá-la diretamente, tem como alvo a China.

"A abertura do mercado único é o nosso principal trunfo, mas deve ser acompanhada de uma certa justiça", explicou a comissária para a Concorrência, Margrethe Vestager.

A responsável ressaltou que a legislação em vigor permite à União Europeia (UE) controlar os auxílios concedidos pelos Estados-membros, mas não os concedidos por países terceiros, o que gera distorções da concorrência.

Este texto insere-se num contexto de endurecimento da posição europeia em relação a Pequim, o seu segundo principal parceiro comercial depois dos Estados Unidos, com quem procura manter um equilíbrio econômico e diplomático.

Por um lado, a Alemanha deseja manter vínculos com este destino privilegiado de suas exportações; de outro, alguns Estados-membros estão preocupados com a concorrência desleal de empresas chinesas fortemente subsidiadas pelo regime comunista.

A tensão entre os dois blocos também é política: a UE impôs sanções contra a China, acusada de violações dos direitos humanos contra a minoria muçulmana uigur na região de Xinjiang.

Pequim, por sua vez, respondeu sancionando vários parlamentares europeus, acadêmicos e o think-tank alemão MERICS.

A legislação apresentada nesta quarta-feira, que deve agora ser analisada pelos Estados-membros e pelo Parlamento Europeu, permitiria à Comissão investigar empresas estrangeiras que pretendem adquirir empresas de dentro do bloco europeu com um volume de negócios anual superior a 500 milhões de euros.

Também permitiria a abertura de investigações contra grupos que se candidatarem a grandes contratos públicos na Europa, como ferrovias ou telecomunicações, no valor superior a 250 milhões de euros.

A Comissão também poderia abrir investigações por sua própria iniciativa.

Em caso de distorção da concorrência, Bruxelas poderia exigir medidas corretivas e, mesmo em certos casos, proibir uma concentração ou a adjudicação de um contrato público à empresa em causa.

Os empréstimos a juros zero, uma tratamento fiscal preferencial ou simplesmente subvenções diretas poderiam fazer parte dos auxílios considerados como uma distorção da concorrência.

A proposta não visa oficialmente nenhum país em particular, mas fontes europeias concordam que as preocupações com a China estão no centro de sua redação.

O texto é apresentado logo após o surpreendente acordo de investimentos concluído no final de dezembro entre Bruxelas e Pequim.

Este acordo, alcançado após anos de impasse, ainda não foi ratificado, mas o vice-presidente da Comissão, Valdis Dombrovskis, disse à AFP na terça-feira que seus "esforços" para fazê-lo foram "suspensos".

"Na situação atual (...) o ambiente não é propício para a ratificação do acordo", declarou ele.

Em resposta, nesta quarta-feira, a chefe do governo alemão, Angela Merkel, disse que "apesar das dificuldades que certamente surgirão para a ratificação [deste acordo], acho que é uma tarefa muito importante".

Este acordo será "mutuamente benéfico", afirmou, pelos compromissos que contempla em matéria de acesso a mercados, cumprimento de normas laborais internacionais e proteção de marcas.

zap/aro/clp/mr