Mercado abrirá em 9 h 45 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,96
    -0,17 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.779,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    56.873,13
    -3.152,84 (-5,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,02
    -100,69 (-7,23%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.255,41
    +285,70 (+0,99%)
     
  • NIKKEI

    29.748,10
    +64,73 (+0,22%)
     
  • NASDAQ

    14.033,75
    +4,25 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6703
    -0,0158 (-0,24%)
     

UE prolonga por um ano as sanções a funcionários bielorrussos

·1 minuto de leitura
Alexander Lukashenko (centro), durante abertura de assembleia

A União Europeia anunciou nesta quinta-feira (25) que prorrogou até 28 de fevereiro de 2022 as sanções impostas ao presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, e aos membros de seu governo envolvidos na repressão aos protestos.

No total, essas sanções afetam 88 pessoas - incluindo o próprio Lukashenko, e sete entidades - que estão proibidas da possibilidade de viajar para o território da UE, e cujos eventuais bens estão congelados.

As sanções foram impostas de outubro a dezembro de 2020 e têm como objetivo indicar aos "atores políticos e econômicos bielorrussos que suas ações e apoio ao regime devem ter um custo", anunciou o Conselho Europeu.

A União Europeia não reconhece o resultado das eleições de 9 de agosto, que Lukashenko afirma ter sido vencedor. Para a UE, as eleições presidenciais foram fraudadas.

Lukashenko conta com o apoio da Rússia e exclui qualquer concessão importante, com a promessa de uma vaga reforma constitucional para sair da crise e um incipiente diálogo com opositores presos.

A maioria dos líderes dissidentes acabou sendo presa, colocados em prisão domiciliar ou exilados.

csg/ahg/mb/bn