Mercado abrirá em 2 h 57 min

UE pode barrar exportação de doses da vacina contra covid da AstraZeneca

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
An illustrative image of medical syringes in front of an AstraZeneca logo displayed on a screen. On Tuesday, January 26, 2021, in Dublin, Ireland. (Photo illustration by Artur Widak/NurPhoto via Getty Images)
An illustrative image of medical syringes in front of an AstraZeneca logo displayed on a screen. On Tuesday, January 26, 2021, in Dublin, Ireland. (Photo illustration by Artur Widak/NurPhoto via Getty Images)

A União Europeia ameaçou impedir as exportações de vacinas contra a covid-19 do laboratório AstraZeneca enquanto a empresa não cumprir seu contrato de fornecer as doses que um acordo com Bruxelas estipulava. Mas a medida abriu uma crise entre a Europa e países em desenvolvimento, que dependem da exportação dos imunizantes.

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, usou um discurso nesta terça-feira (26) no Fórum Econômico Mundial para denunciar o “nacionalismo de vacinas” e alertar aos países ricos que não abandonem mais da metade do mundo.

"Precisamos que aqueles que acumularam as vacinas liberem as vacinas para que outros países possam tê-las", disse Ramaphosa, que é o presidente ainda da União Africana.

"Os países ricos do mundo adquiriram grandes doses de vacinas dos fabricantes dessas vacinas e alguns países foram além e adquiriram até quatro vezes mais do que sua população precisa. E isso teve como objetivo acumular essas vacinas. E agora isso está sendo feito com a exclusão de outros países do mundo que mais precisam disto", denunciou.

Leia também

A AstraZeneca fechou acordos com dezenas de países pelo mundo, entre eles o Brasil. Como sua vacina é mais barata e mais fácil de ser transportada, foram priorizadas pelos países em desenvolvimento.

A ameaça acendeu o alerta entre os países em desenvolvimento na Organização Mundial de Saúde (OMS), que querem garantias de que serão abastecidos. Além disso, o gesto foi considerado na ONU e na agência mundial de saúde um sinal de que a guerra pelas vacinas pode se transformar em uma guerra comercial e prejudicar as relações entre governos.

A tensão na União Europeia começou depois que a empresa britânica indicou que não teria como cumprir seu calendário de fornecimento de 100 milhões de doses da vacina no primeiro trimestre aos países europeus.