Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,63
    -0,34 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.752,20
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    47.069,20
    -745,14 (-1,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.176,80
    -48,73 (-3,98%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.302,00
    -24,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1918
    -0,0076 (-0,12%)
     

UE ‘mostra os dentes’ em defesa de direitos da comunidade LGBTQ

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A União Europeia tem um histórico irregular no que diz respeito a disciplinar países do bloco. Mas neste mês abriu várias frentes em sua batalha cada vez mais contenciosa com membros da UE sobre os principais valores do bloco.

A UE ameaçou a Polônia com multas diárias e congelamento de pagamentos em disputas sobre discriminação da comunidade LGBTQ e independência judicial. Liderado por vários primeiros-ministros, o bloco aproveita as poderosas novas ferramentas orçamentárias em um esforço sem precedentes para obrigar Polônia e Hungria a reverterem medidas que minam o Estado de direito sob o risco de perderem o acesso a bilhões de euros.

A Bloomberg entrevistou diplomatas e funcionários informados sobre conversas entre líderes e o debate na Comissão Europeia sobre maneiras de pressionar a Polônia e a Hungria. A iniciativa foi cristalizada em uma cúpula da UE em junho, quando o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, foi pego de surpresa pelo fervor e unidade de outros líderes na questão LGBTQ, e Stefan Lofven, da Suécia, indicou aos colegas como o bloco poderia alavancar seu orçamento para disciplinar esses países.

“A Comissão Europeia está finalmente mostrando os dentes”, disse Nathalie Tocci, professora visitante da Harvard Kennedy School e diretora do Instituto de Assuntos Internacionais de Roma. “Na Europa, este é o primeiro passo prático fundamental para a UE como tal adquirir o status de garantidor da democracia liberal dentro do bloco.”

Enquanto a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, se prepara para fazer seu discurso anual sobre o estado da União na quarta-feira, a abordagem mais agressiva do bloco parece estar surtindo efeito. Autoridades europeias dizem que há indícios de que a Polônia, pelo menos, tem recuado em sua postura.

A UE espera que, com sua nova alavancagem financeira, seja capaz de reverter seu frágil histórico em disciplinar membros rebeldes, o que dificultou o confronto com a China e o apoio a valores democráticos no mundo todo. Mas, com a Hungria totalmente empenhada, a unidade do bloco será testada em um confronto que poderá reformular a aliança nos próximos anos - seja forçando efetivamente estados membros acusados de retrocesso democrático a se alinharem com seus valores ou fazendo-os reconsiderar a adesão à UE.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos