Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.704,96
    -658,14 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.248,84
    -465,76 (-0,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,12
    +0,46 (+0,56%)
     
  • OURO

    1.800,70
    +1,90 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    61.263,18
    +2.437,69 (+4,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.491,73
    +72,36 (+5,10%)
     
  • S&P500

    4.596,42
    +44,74 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    35.730,48
    +239,79 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.674,00
    +86,75 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5954
    +0,1707 (+2,66%)
     

UE lembra à China importância de seu compromisso com direitos humanos

·1 minuto de leitura
Foto de arquivo do alto representante da União Europeia para Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, Josep Borrell, durante coletiva de imprensa em Nova York, Estados Unidos, em 20 de setembro de 2021 (AFP/Angela Weiss)

O compromisso da China com os direitos humanos é "um elemento-chave" para uma boa relação bilateral com a União Europeia (UE), advertiu nesta terça-feira (28) o responsável pela diplomacia do bloco em uma reunião com o ministro das Relações Exteriores chinês.

O alto representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, o espanhol Josep Borrell, se reuniu por videoconferência com Wang Yi como parte do "diálogo estratégico" entre UE e China, disse uma porta-voz do responsável do bloco em comunicado.

Borrell "reiterou a necessidade de [a China] se comprometer com as questões de direitos humanos e retomar o diálogo UE-China sobre direitos humanos, um elemento fundamental de uma relação madura".

"[O alto representante] expressou sua esperança de que uma próxima reunião possa acontecer até o fim deste ano. Isto será crucial para resolver as divergências entre UE e China", acrescentou a porta-voz na nota.

Em março deste ano, a UE impôs sanções pela primeira vez à China pela suposta perseguição aos muçulmanos uigures em Xinjiang, uma região multiétnica no noroeste do país asiático.

Pequim, por sua vez, respondeu com sanções contra uma dezena de personalidades europeias.

Hoje, Josep Borrell e Wang Yi também falaram sobre a situação em Xinjiang, assim como em Hong Kong e Taiwan.

Sobre a ilha considerada rebelde pelo governo de Pequim, o alto representante da UE destacou que o bloco europeu "sempre aplicou e continuará a aplicar sua política de 'uma só China' de forma consistente".

mad/pc/erl/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos