Mercado abrirá em 9 h 5 min
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,28
    +0,06 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.809,90
    -5,30 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    16.906,72
    -220,73 (-1,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,39
    -5,76 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.724,99
    -11,45 (-0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.679,84
    -546,24 (-1,94%)
     
  • NASDAQ

    12.013,50
    -49,25 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4588
    -0,0066 (-0,12%)
     

UE está dividida sobre asilo para russos que fogem à mobilização militar

A fuga de homens russos para escapar à mobilização militar especial decretada pelo Presidente Putin está a dividir a União Europeia (UE) sobre se deve ser um dos portos de abrigo.

O apoio aos dissidentes perseguidos pelo regime foi uma promessa feita desda a invasão da Ucrânia, mas os Estados Bálticos, a Finlândia e a Polónia defendem um encerramento geral das fronteiras a quem vier da Rússia.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Letónia, Edgars Rinkevics, disse, num post no Twitter, que "muitos russos que agora fogem da Rússia por causa da mobilização não se incomodavam com a morte de ucranianos. Não protestaram nessa altura. Há riscos de segurança consideráveis em admiti-los e existem muitos países fora da UE para irem".

Vários Estados-membros pedem para que se estudem os casos individualmente, mas os analistas recordam os deveres legais da UE e consideram urgente terem uma posição comum.

"Ainda defendemos, por razões importantes, o direito de todos a procurarem asilo. Não conhecemos a situação pessoal de algumas pessoas que estão a tentar chegar à Europa, neste momento. Além disso, há muitos protestos em curso na Rússia, o que tem fortes repercussões para as pessoas envolvidas. Mais uma vez, compreendo os argumentos, mas não deveria ser uma razão para minarmos o direito individual das pessoas a procurarem asilo", afirmou a analista Marie de Somer, do Centro de Políticas Europeias, em declarações à euronews.

Os representantes diplomáticos dos Estados-membros reuniram-se, esta segunda-feira, e solicitaram à Comissão Europeia que atualizasse as diretrizes que suspenderam o Acordo de Facilitação de Vistos com a Rússia, a 9 de setembro.

Para alguns governos europeus, são necessárias provas de que os russos que entram no território da UE não são agentes do governo de Moscovo.