Mercado abrirá em 9 h 43 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,23
    +0,32 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.867,40
    -12,20 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    38.850,82
    +3.538,81 (+10,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    973,91
    +32,10 (+3,41%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.109,52
    +160,79 (+0,56%)
     
  • NASDAQ

    14.024,50
    +30,25 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1876
    -0,0050 (-0,08%)
     

UE está cética sobre quebra de patente de vacina, mas pronta para discutir proposta

·1 minuto de leitura

PORTO, Portugal (Reuters) - A União Europeia está cética sobre a utilidade de quebrar patentes de vacinas contra a Covid-19 para enfrentar a pandemia, mas está pronta para discutir uma proposta concreta, afirmou o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, neste sábado.

Conversando com repórteres antes do segundo dia de uma cúpula da UE em Porto, Michel disse que a maneira de lutar contra a pandemia no momento é fazer mais vacinas com rapidez e retirar restrições de exportação sobre elas em países como Estados Unidos e Reino Unido, que produzem vacinas, mas não as vendem para outras nações.

"Na Europa, tomamos a decisão de possibilitar as exportações e encorajamos todos os parceiros a facilitar a exportação de doses", disse Michel, após discussões com líderes do bloco de 27 países na noite de sexta-feira.

Índia e África do Sul defenderam ano passado a quebra da patente de vacinas como uma maneira de reforçar a produção e garantir que o mundo seja atendido. O debate em torno do assunto ganhou força na quarta-feira, quando o presidente norte-americano Joe Biden apoiou a ideia, desde que passasse pela Organização Mundial do Comércio.

O tempo que levaria para um acordo na OMC e para construir uma capacidade maior para produzir vacinas significariam que essa quebra de patentes não seria uma solução rápida, dizem céticos.

"Sobre a propriedade intelectual - não achamos que, no curto prazo, é a bala de prata, mas estamos prontos para discutir o assunto assim que uma proposta concreta esteja na mesa", disse Michel.

(Por Jan Strupczewski em Bruxelas e Sybille de la Hamaide em Paris)