Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,94
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.878,20
    -1,40 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    38.886,81
    +3.247,30 (+9,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.017,50
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1933
    +0,0398 (+0,65%)
     

UE endossa certificado sanitário e continua discussões sobre clima

·3 minuto de leitura
O primeiro-ministro esloveno, Janez Jansa, no Conselho Europeu, no segundo dia da Cúpula dos Vinte e Sete em Bruxelas, 25 de maio de 2021

Reunidos em Bruxelas, os líderes da União Europeia endossaram, nesta terça-feira (25), o certificado sanitário que deve permitir a reabertura das fronteiras e continuam as difíceis negociações sobre o plano de ação climática.

Na segunda-feira (24), o primeiro dia de cúpula, os chefes de Estado e de Governo da UE concordaram sobre um novo conjunto de sanções contra Belarus por ter desviado um avião europeu que transportava um jornalista da oposição.

Preocupados com coordenar a reabertura gradual de suas fronteiras com a aproximação do verão (inverno no Brasil), com o avanço das campanhas de vacinação, os 27 apoiaram nesta terça a elaboração de um "certificado digital europeu covid", pedindo seu "rápido estabelecimento", segundo conclusões divulgadas.

Na semana passada, eurodeputados e Estados-membros concordaram com a adoção deste passe comum, destinado a facilitar as viagens dentro da UE a partir de 1º de julho. O documento atestará que uma pessoa foi vacinada contra a covid-19, que seu teste deu negativo, ou que ficou imune após contrair a doença.

Os 27 também concordaram em permitir a entrada no bloco de viajantes de países terceiros que tenham recebido as doses necessárias das vacinas anticovid aprovadas pelos europeus.

"O atestado de saúde é particularmente importante para relançar nossa economia, com a livre-circulação de trabalhadores, mas também de turistas neste verão", afirmou o primeiro-ministro croata, Andrej Plenkovic, cujo país é muito dependente do turismo.

Alguns Estados querem, porém, reservar-se o direito de impor certas medidas aos titulares desses certificados, como quarentenas, em face do surgimento de variantes, por exemplo.

"Tudo depende da situação de saúde em seu país e do viajante. Será complexo", admitiu à AFP o ministro irlandês para Assuntos Europeus, Thomas Byrne.

Cerca de 170 milhões de pessoas na UE (ou 46% da população adulta) terão sido vacinadas até 30 de maio, de acordo com a Comissão Europeia, que prevê uma taxa de 70% até o final de julho.

- "Cada um deve fazer sua parte" -

Mas a unidade que ficou evidente no posicionamento sobre Belarus ou o atestado sanitário digital esteve ausente quando a discussão se concentrou nas ações do bloco contra as mudanças climáticas.

Os líderes apresentam suas posições sobre o futuro plano de ação climática que a Comissão irá propor em meados de julho, visando a alcançar a neutralidade de carbono no continente até 2050.

Em dezembro passado, os 27 concordaram em reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa na UE em, pelo menos, 55% até 2030, em comparação com 1990.

Ao discutir os detalhes de como atingir essas metas e a responsabilidade de cada país, as divisões foram novamente expostas.

Em particular, a ideia enfrenta resistência de países cujas economias são altamente dependentes dos combustíveis fósseis, como a Polônia e a Romênia.

O chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, destacou que "obviamente há discrepâncias" nos detalhes, mas ressaltou que "este compromisso de 55% é mantido" na redução das emissões e que a Espanha está "claramente comprometida com esse objetivo".

O texto das Conclusões da Cúpula mostra que foi eliminado um parágrafo inteiro que constava no rascunho: aquele que se referia à necessidade de "reafirmar os objetivos nacionais em esforços compartilhados" para reduzir as emissões.

Em vez disso, o documento aprovado menciona apenas que os países da UE voltarão a discutir este assunto "no momento oportuno, quando a Comissão [Europeia] apresentar suas propostas".

Para o Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, para além "das conclusões escritas, que são relativamente breves, houve um intercâmbio denso, útil e necessário" nas reuniões, em que cada representante exprimiu as suas preocupações.

bur-jug/alm/sg/mr/tt