Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.686,73
    -1.812,32 (-2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

UE deve "completar" resposta econômica contra crise da covid-19, diz Macron

·1 minuto de leitura
Emmanuel Macron durante coletiva de imprensa em Paris, 25 de março de 2021

O presidente da França, Emmanuel Macron, considerou nesta quinta-feira que a União Europeia terá que "completar" sua resposta econômica e orçamentária contra a crise da covid-19, para que a recuperação seja "mais forte" e não esteja muito distante da dos Estados Unidos.

"Precisamos simplificar drasticamente nossas respostas. Somos muito lentos, muito complexos, estamos muito inseridos em nossa própria burocracia", criticou o chefe de Estado francês à imprensa após uma cúpula europeia realizada por videoconferência.

Emmanuel Macron sublinhou que a saída da crise passaria pela "manutenção das medidas de apoio orçamentário durante o período de crise da saúde e pela rápida implementação do plano de recuperação europeu" de 750 bilhões de euros aprovado em julho.

Com este compromisso "extremamente forte", a UE estava "à altura da tarefa" em sua resposta após a primeira onda da epidemia, na primavera de 2020. Mas, após a segunda e terceira ondas, "podemos ter que completar esta resposta", avisou.

“A força da resposta dos EUA e o plano anunciado há poucos dias pelo presidente [Joe] Biden e seu Congresso nos colocam diante de uma responsabilidade histórica”, estimou o presidente francês, referindo-se à decisão de injetar 1,9 trilhão de dólares na economia americana.

Segundo as projeções, “vemos que os Estados Unidos vão recuperar, mais ou menos, em meados de 2021 o seu nível absoluto anterior à crise e, sobretudo, voltarão rapidamente à trajetória em que estavam”, analisou Macron.

A UE, por outro lado, não recuperará esse patamar "até a primavera-verão de 2022", uma diferença "preocupante porque é uma perda de potencial de crescimento", concluiu o presidente da França, que defende "uma resposta mais contundente".

jri-leb/jvb/yo/am