Mercado fechado

UE critica atrasos de vacinas AstraZeneca e pede transparência

·1 minuto de leitura
A comissária de Saúde da União Europeia, Stella Kyriakides, fala sobre as entregas de vacinas na sede da UE em Bruxelas em 25 de janeiro de 2021.

Os atrasos nas entregas das vacinas contra a covid-19, anunciados pelo laboratório da AstraZeneca, são inaceitáveis, afirmou nesta segunda-feira(25) a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, que apelou por "transparência" nas exportações do bloco. 

"O novo cronograma de entregas é inaceitável ... A UE quer saber quantas doses foram produzidas, onde e a quem foram entregues. As respostas não têm sido satisfatórias até agora", disse Kyriakides. 

Pela manhã, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, telefonou para o CEO da AstraZeneca para discutir esta situação.

A União Europeia já autorizou duas vacinas para conter a pandemia (as da Pzifer/BioNTech e Moderna), e espera aprovar a da AstraZeneca nesta semana com o entendimento de que a produção e distribuição permitiriam a implantação imediata. 

"A UE quer que as doses pré-pagas e encomendadas sejam entregues o mais rápido possível. E queremos que nossos contratos sejam totalmente honrados", acrescentou Kyriakides. 

O anúncio dos atrasos nas entregas da AstraZeneca e os problemas de distribuição verificados pela Pfizer/BioNTech colocaram em xeque o ritmo das campanhas de vacinação europeias, já criticado por vários países por sua falta de agilidade.

Na semana passada, Von der Leyen havia anunciado um plano para vacinar 70% dos europeus até o final do verão boreal, em agosto, embora esses anúncios possam jogar um balde de água fria sobre essa perspectiva.

ahg/mb/jc