Mercado abrirá em 9 h 2 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,46
    -0,31 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.859,40
    +4,20 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    32.351,07
    -17,21 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,08
    -22,82 (-3,37%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.660,46
    -498,55 (-1,65%)
     
  • NIKKEI

    28.641,13
    -181,16 (-0,63%)
     
  • NASDAQ

    13.434,00
    -41,50 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7111
    +0,0749 (+1,13%)
     

UE concorda com Orçamento 2021 e aguarda suspensão de veto de Hungria e Polônia

·1 minuto de leitura
Membros do Parlamento Europeu

BRUXELAS (Reuters) - Governos da União Europeia (UE) e o Parlamento Europeu concordaram nesta sexta-feira com o Orçamento anual da UE para 2021, mas para que ele se torne lei Polônia e Hungria precisarão retirar seu veto à estrutura geral do Orçamento de 2021-2027.

O Orçamento de 2021 para todos os 27 países da UE já foi feito com base em limites de receita e gastos determinados no novo Orçamento de sete anos da UE, que Varsóvia e Budapeste não querem aceitar porque ele condiciona o dinheiro ao respeito do Estado de Direito.

Ambos os países estão sob investigações da UE por prejudicarem a independência de tribunais, da mídia e de organizações não governamentais e correm risco de perder dezenas de bilhões em fundos.

Se o plano de 2021-2027 for vetado, o plano financeiro anual para o próximo não terá base legal.

"O Orçamento para 2021 só pode entrar em vigor quando o bloqueio ao Orçamento geral da UE e ao pacote de resgate for retirado", disse o embaixador alemão na UE, Michael Clauss.

"Sem isso, estamos olhando para um corte drástico no financiamento da UE a partir do início do próximo ano", disse ele, referindo-se à mudança da UE para um sistema de financiamento provisório, usado pela última vez em 1989.

(Reportagem de Jan Strupczewski)