Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.348,98
    -1.545,24 (-3,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

UE compra 300 milhões de doses extras da vacina anticovid da Moderna

·3 minuto de leitura
Mais de 10% da população americana recebeu pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus

A União Europeia (UE) concluiu um contrato com o laboratório americano Moderna de 150 milhões de doses adicionais de sua vacina anticovid para este ano e outras 150 milhões para 2022 - anunciou a Comissão Europeia nesta quarta-feira (17).

"Hoje temos garantidas 300 milhões de doses adicionais (...). Isso nos aproxima do nosso objetivo de assegurar que todos os europeus tenham acesso a vacinas seguras e eficientes tão rápido quanto for possível", afirmou a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen.

A UE já havia assinado um primeiro contrato com a Moderna para obter 160 milhões de doses este ano.

Com este contrato, a UE fechou a pré-compra de um total de 2,6 bilhões de doses das vacinas desenvolvidas para conter a pandemia de coronavírus.

Em dezembro de 2020, a UE autorizou a distribuição e aplicação da vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, gesto que foi acompanhado em janeiro pela autorização da vacina da Moderna e depois da AstraZeneca.

Além disso, a instituição já em contratos com a Sanofi-GSK, Johnson&Johnson e Curevac.

De acordo com a UE, o novo contrato assinado com a Moderna "considera a possibilidade de doar vacinas para países de baixa e média renda, ou redirecioná-las para outros países europeus".

"Com até 2,6 bilhões de doses, seremos capazes de vacinar não só os cidadãos europeus, mas também os novos vizinhos e parceiros", disse Von der Leyen em nota.

Por sua vez, a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, afirmou que a compra de 300 milhões de doses de uma vacina contra a covid-19 ajudará a "proporcionar aos cidadãos europeus o acesso à vacinação no decorrer deste ano".

Este contrato é "importante não só a curto prazo na UE, mas também para o nosso trabalho futuro para limitar a propagação de novas variantes" do coronavírus, apontou.

O diretor executivo da Moderna, Stéphane Bancel, destacou que o laboratório já mantém negociações com a UE "sobre como vamos nos preparar para 2022, incluindo a atenção para potenciais variantes" do coronavírus.

O laboratório está "comprometido a trabalhar sem descanso para oferecer ao mercado reforços das vacinas pra as variantes relevantes", acrescentou em nota.

Até à data, cerca de 33 milhões de doses já foram distribuídas aos países da UE e cerca de 22 milhões de pessoas foram vacinadas com elas (sete milhões já receberam duas doses), de acordo com Von der Leyen.

Enquanto isso, a UE decidiu implementar um plano de defesa biológica, batizado de Hera Incubator, e que terá como foco as variantes do coronavírus, como as identificadas no Reino Unido, Brasil e África do Sul.

Essas variantes despertaram preocupação devido à alta capacidade de contágio e disseminação e possível resistência às vacinas desenvolvidas até agora.

Este projeto unirá forças com a indústria farmacêutica e instituições científicas para preparar a "próxima fase" do combate à pandemia, focada na "detecção precoce de variantes e, se necessário, na produção rápida de uma segunda geração de vacinas", disse Von der Leyen.

ahg/bl/tt/aa