Mercado abrirá em 6 h 42 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,47
    +0,97 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.749,00
    +20,20 (+1,17%)
     
  • BTC-USD

    46.311,37
    +1.301,45 (+2,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    925,13
    -8,00 (-0,86%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.340,87
    +360,66 (+1,24%)
     
  • NIKKEI

    29.659,67
    +693,66 (+2,39%)
     
  • NASDAQ

    13.063,00
    +152,00 (+1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7584
    +0,0001 (+0,00%)
     

UE avança para regras mais rígidas de privacidade em mensagens e teleconferências

·1 minuto de leitura
Logo do WhatsApp

Os serviços de troca de mensagens, como Messenger ou Whatsapp, ou a plataforma de teleconferências Zoom estarão sujeitos na UE a regras de privacidade mais rígidas, segundo um projeto que deu um grande passo adiante nesta quarta-feira (10) em Bruxelas.

Os representantes dos membros do bloco aprovaram uma proposta de compromisso apresentada por Portugal, sobre um texto que estava bloqueado desde 2017.

O projeto de regulamento, que agora deve ser negociado com o Parlamento Europeu, atualiza a diretiva "ePrivacy", de 2002 e que se aplicava somente aos operadores de telecomunicações tradicionais, sem afetar os gigantes digitais.

Além disso, amplia seu alcance para levar em consideração a aparição de novas tecnologias de comunicação eletrônica.

A proposta de um regulamento de privacidade online feito pela Comissão Europeia em 2017 enfrenta até agora divisões entre os defensores de uma proteção rigorosa da privacidade e os que desejam deixar uma margem de manobra para a polícia.

No primeiro grupo está a Alemanha, que defende normas mais robustas de privacidade, e no segundo se destaca a França.

No modelo negociado, os dados de comunicação poderiam ser usados sem o consentimento do usuário, por exemplo, para a acusação de crimes ou a prevenção de ameaças à segurança pública.

Facebook, Google e outros poderão continuar processando metadados (informação relacionada, por exemplo, com o momento de uma comunicação e sua localização), mas apenas se os usuários derem seu consentimento e se a informação for anônima.

arp-pe-alm/ahg/mb/aa