Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.336,03
    -1.370,41 (-2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

UE avalia suspensão temporária de tarifas sobre produtos dos EUA

Alberto Nardelli
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, avalia oferecer uma suspensão de tarifas de seis meses ao presidente dos EUA, Joe Biden, quando conversarem por telefone, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

A ligação está prevista para breve, de acordo com as pessoas, sugerindo que poderia ocorrer nos próximos dias. O principal porta-voz da comissão, Eric Mamer, não confirmou detalhes sobre o prazo quando contatado por mensagem de texto.

Os assessores de comércio de Von der Leyen recomendaram a proposta de congelar tarifas relacionadas a disputas de aeronaves e metais, que atingiram US$ 18 bilhões em produtos europeus e americanos, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. Isso daria tempo para que as duas partes negociem um acordo de longo prazo.

A conversa entre Von der Leyen e o presidente dos EUA, a primeira desde a posse de Biden no mês passado, acontecerá em um momento crucial nas relações transatlânticas. A UE está empenhada em pôr fim às longas batalhas - a disputa em aeronaves já dura 17 anos - e, ao mesmo tempo, redefinir as relações com os EUA, que se deterioraram durante o mandato de Donald Trump, segundo o qual o bloco se tornou “inimigo” do governo de Washington.

“É muito importante que deixemos esses agravantes do comércio bilateral para trás e realmente nos concentremos na agenda de comércio internacional mais ampla”, disse o comissário de Comércio da UE, Valdis Dombrovskis, em evento online organizado pelo German Marshall Fund, em 1º de fevereiro.

A Organização Mundial do Comércio autorizou a UE e os EUA a imporem tarifas sobre US$ 11,5 bilhões em exportações de cada um relacionadas a subsídios ilegais à Airbus e Boeing. As tarifas atingem peças de aeronaves, bem como uma série de setores não relacionados, como vinho, destilados, azeitonas, tratores e videogames. As tentativas de chegar a um acordo foram paralisadas no ano passado, depois que os EUA aumentaram as tarifas punitivas em 30 de dezembro.

Em 2018, Trump recorreu a uma lei da era da Guerra Fria para introduzir um imposto de 25% sobre o aço e uma tarifa de 10% sobre os produtos de alumínio, com base em questões de segurança nacional. A UE contestou a legalidade dessa medida e respondeu com tarifas retaliatórias sobre cerca de US$ 3,4 bilhões de mercadorias dos EUA.

A UE escolheu como alvo produtos como motocicletas Harley-Davidson, jeans Levi Strauss e uísque bourbon. Se um acordo não for alcançado até junho, a UE poderá impor tarifas sobre outros 3,6 bilhões de euros (US$ 4,3 bilhões) em mercadorias americanas.

Qualquer flexibilização das tarifas dependeria de outros sinais de acordos entre os aliados. Os europeus estão otimistas de que um acordo em uma longa disputa sobre como taxar empresas globais de tecnologia possa ser alcançado, e um impasse sobre quem assumirá o comando da OMC parece estar perto de uma resolução.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.