Mercado abrirá em 18 mins
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,93
    -0,38 (-0,71%)
     
  • OURO

    1.871,60
    +5,10 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    32.587,38
    -914,71 (-2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    646,80
    -53,81 (-7,68%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.746,37
    +5,98 (+0,09%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.348,50
    +54,25 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4219
    +0,0139 (+0,22%)
     

UE aprova criação de gigante ferroviário Alstom- Bombardier

·1 minuto de leitura
Comissão Europeia autoriza fusão Alstom-Bombardier

A Comissão Europeia autorizou sob condições, nesta sexta-feira (31), a compra por parte do francês Alstom do braço de transportes da canadense Bombardier, o que permitirá a criação do número dois mundial ferroviário.

A nova companhia emprega cerca de 76.000 funcionários e soma um volume de negócios de 15,5 bilhões de euros (18,3 bilhões de dólares). Seu objetivo é competir com a chinesa CRRC, líder mundial do setor.

"Graças ao conjunto completo de medidas corretivas aportadas para resolver os problemas de concorrência nos setores de trens de alta velocidade e da sinalização das grandes linhas, a operação pôde ser examinada e autorizada rapidamente", afirmou a vice-presidente do Executivo europeu, Margrethe Vestager, citada em um comunicado.

O grupo francês notificou Bruxelas em meados de junho sobre o projeto de compra de seu concorrente Bombardier Transport por 6 bilhões de euros (7 bilhões de dólares).

A ameaça da competição chinesa já havia sido apontada como justificativa para a compra de Alstom pelo alemão Siemens, mas esta operação foi bloqueada em fevereiro de 2019 pela Comissão.

Bruxelas temia uma posição excessivamente dominante na Europa na sinalização ferroviária e nos trens de alta velocidade.

Com sede em Berlim, a Bombardier Transport registrou em 2019 um volume de negócios de 8,3 bilhões de dólares (7 bilhões de euros).