Mercado abrirá em 7 h 11 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.871,10
    +4,60 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    34.585,17
    -77,44 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    684,32
    -16,29 (-2,32%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    30.012,19
    +369,91 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    28.783,34
    +149,88 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    13.387,75
    +93,50 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    -0,0809 (-1,24%)
     

UE aprova, com condições, fusão das montadoras PSA e Fiat Chrysler

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Logos da FCA (Fiat Chrysler Automobiles) e da PSA (Peugeot Citroen)

A União Europeia (UE) autorizou nesta segunda-feira a fusão das montadoras PSA (Peugeot, Citroën) francesa e Fiat Chrysler (FCA) americana, mas com algumas condições para proteger a concorrência no setor de veículos comerciais.

Com a fusão, as duas empresas formarão o quarto maior grupo automobilístico mundial. As duas gigantes se comprometeram a prorrogar o acordo de cooperação entre PSA e Toyota para os veículos comerciais leves e a facilitar o acesso das concorrentes às redes de reparos e manutenção da PSA e da FCA para este tipo de carro, segundo um comunicado da Comissão Europeia.

A união PSA e FCA, anunciada no fim de 2019, resultará na criação do quarto maior grupo automobilístico mundial em volume e o terceiro em faturamento, com marcas emblemáticas como Peugeot, Citroën, Opel, Jeep, Alfa Romeo e Maserati.

As empresas pretendem concluir o projeto de fusão no primeiro trimestre de 2021. O novo grupo terá o nome Stellantis.

"Estamos em condições de autorizar a fusão entre Fiat Chrysler e Peugeot SA, pois seus compromissos facilitarão a entrada e expansão no mercado das caminhonetes comerciais leves. Nos outros mercados em que as duas fabricantes exercem suas atividades, a concorrência continuará a ser apoiada após a fusão", afirmou Margrethe Vestager, vice-presidente da Comissão responsável pela Concorrência.

aro/fmi/oaa/jvb/bl/zm/fp