Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.057,22
    -1.202,27 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.202,80
    -376,30 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,82
    -0,22 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.776,90
    +2,10 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    38.060,96
    -487,86 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    946,45
    -23,42 (-2,42%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.153,43
    -31,52 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.558,59
    +121,75 (+0,43%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.178,00
    +12,50 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9605
    -0,0020 (-0,03%)
     

UE aplica sanções a cidadãos russos e chineses por ciberataques

·2 minuto de leitura
O chefe da diplomacia comunitária da União Europeia, Josep Borrell, em coletiva de imprensa em Bruxelas

A União Europeia (UE) anunciou sanções, nesta quinta-feira (30), a dois chineses e a quatro russos, assim como a um centro vinculado ao serviço de Inteligência militar russo GRU e a outras duas entidades, por lançarem ciberataques - uma decisão inédita no bloco.

"Trata-se de uma resposta à tentativa de ciberataque contra a Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) e os conhecidos publicamente como 'WannaCry', 'NotPetya' e 'Operation Cloud Hopper'", afirmou o Conselho da UE em um comunicado.

Em 2019, a UE estabeleceu um quadro de sanções para os responsáveis por ciberataques, a fim de "preservar a segurança e os interesses europeus" e, embora não tenham citado nenhum país, denunciaram no passado ataques da China, da Rússia e da Coreia do Norte.

Os primeiros afetados por esse regime de sanções, que impede os cidadãos europeus de disponibilizarem recursos para os registrados, estão relacionados com esses três países.

Em resposta a uma tentativa de ataque cibernético contra a OPAQ, frustrada pelos serviços de Inteligência holandeses em 2018, a UE sanciona dois agentes e dois especialistas em informática do GRU russo.

Os agentes, Alexey Minin e Oleg Sotnikov, e os especialsitas, Evgenii Serebriakov e Aleksei Morenets, não poderão, portanto, viajar para o bloco. Além disso, seus ativos na UE serão congelados.

"O preço do mau comportamento está aumentando, porque os 'maus' estão se safando com muita frequência", disse o ministro holandês das Relações Exteriores, Stef Blok.

A UE também incluiu na lista o Centro Principal de Tecnologias Especiais do GRU pelo ciberataque "NotPetya", em 2017, assim como a entidade chinesa Huaying Haitai e a norte-coreana Chosun Expo por "Cloud Hopper" e "WannaCry", respectivamente.

Pela operação "Cloud Hopper", direcionada contra sistemas de empresas multinacionais na Europa e em outros países, a UE também aplicará sanções aos cidadãos chineses Gao Qiang e Zhang Shilong.

"As medidas são consequência da constante sinalização e determinação da UE (...) para proteger a integridade, segurança, o bem-estar social e a prosperidade de nossas sociedades livres e democráticas", declarou o chefe da diplomacia comunitária, Josep Borrell.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos