Mercado fechará em 3 h 29 min
  • BOVESPA

    120.368,68
    +306,69 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.835,95
    -31,67 (-0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,53
    +0,18 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.780,10
    -13,00 (-0,73%)
     
  • BTC-USD

    55.097,30
    -942,36 (-1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.292,53
    +49,47 (+3,98%)
     
  • S&P500

    4.176,27
    +2,85 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.098,48
    -38,83 (-0,11%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.913,50
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5961
    -0,1059 (-1,58%)
     

UBS eleva estimativa para dólar e diz que apenas vacinação e reformas reverteriam parte das apostas contra o real

·1 minuto de leitura
Notas de dólares e reais

SÃO PAULO (Reuters) - O real continua a se desviar de tradicionais elementos macro e de seus pares, e apenas uma vacinação em larga escala e sinais claros de compromisso com reformas por parte de todas as esferas do governo podem reverter pelo menos uma parte das posições vendidas na moeda doméstica detidas por locais e estrangeiros, disse o UBS em nota na qual revisou para cima projeções para o dólar.

Para Fabio Ramos e Roque Montero, que assinam o relatório, mesmo a aprovação recente da PEC Emergencial --que estabelece gatilhos contra aumentos de gastos-- foi vista pelos mercados como "pouco demais, tarde demais", devido à sua aprovação tardia e aos novos desafios.

Diante do contexto, o UBS elevou de 4,95 reais para 5,30 reais a expectativa para o dólar ao fim de 2021. A projeção para 2022 passou de 5,05 reais para 5,15 reais. A moeda era cotada em 5,5676 reais nesta quinta.

"Com viés limitado de alta para rendimentos dos Treasuries, a menos que a inflação convença os mercados, os drivers domésticos vão dominar o destino do real", disseram Ramos e Montero, lembrando que há tempo restrito neste ano para progresso nas reformas, dado que, para eles, em novembro começa o período pré-eleitoral.

"Achamos que o cenário atual é uma espécie de equilíbrio instável. Se os obstáculos atuais diminuírem nos próximos trimestres e os mercados externos permanecerem razoavelmente favoráveis para emergentes como o Brasil, o real provavelmente se voltaria para seus drivers tradicionais", disseram.

"Caso contrário, podemos ver mais ondas de deterioração, como as das últimas semanas."

(Por José de Castro)