Mercado fechado

UBS e Banco do Brasil acertam formar parceria na América do Sul

Cristiane Lucchesi

(Bloomberg) -- O UBS Group AG e o Banco do Brasil SA concordaram em criar uma parceria para negócios de banco de investimento e corretora de clientes institucionais na América do Sul.

O empreendimento, que ainda precisa de aprovação regulatória, operará no Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai, disseram as empresas na quarta-feira em comunicado.

O UBS terá uma participação controladora de 50,01% do capital total e o Banco do Brasil, o maior banco do país em ativos, ficará com o restante. Haverá apenas ações ordinárias. Dar o controle ao UBS, com sede em Zurique, significa que a sociedade não terá de cumprir algumas das restrições das empresas estatais no Brasil, como limites ao tamanhos dos bônus ou contratação somente por meio de concurso público.

Os clientes do banco brasileiro se beneficiarão com o alcance global do trading do UBS e de seu banco de investimento, assim como de sua área de pesquisa, enquanto seu parceiro com sede em Zurique terá acesso aos clientes corporativos e fluxos de transações do Banco do Brasil. O UBS contribuirá com sua plataforma de banco de investimento no Brasil e na Argentina, bem como com sua corretora dedicada a clientes institucionais no Brasil, disseram as empresas.

O banco de investimento do Banco do Brasil também dará ao UBS um caminho de entrada no crescente mercado local de renda fixa, no qual o banco brasileiro é o quinto colocado no ranking de liderança em emissões primárias, segundo a Anbima, a associação do mercado de capitais. O banco teve receita de R$ 462 milhões no primeiro semestre do ano com comissões do mercado de capitais, 11% a mais que no ano passado, segundo seu comunicado de resultados.

O acordo permitirá que o UBS “atenda melhor nossos clientes na América Latina e no mundo”, disse Sergio P. Ermotti, presidente, no comunicado. Rubem Novaes, CEO do Banco do Brasil, disse que o acordo aumentará a capacidade do banco de fornecer “produtos sofisticados a nossos clientes”.

O Banco do Brasil e o UBS nomearão três conselheiros cada um para a sociedade, sendo que o presidente do conselho será indicado pelo Banco do Brasil. O UBS nomeará o vice-presidente do conselho e o presidente executivo. O Banco do Brasil também selecionará um diretor comercial para supervisionar o relacionamento entre seus clientes, executivos da área corporativa do banco e o novo banco de investimentos. A estrutura será incorporada ao balanço do UBS no Brasil, sob o comando da presidente Sylvia Coutinho.

Corretora

O Banco do Brasil, maior gestor de ativos de terceiros no país, não possui corretora própria para negociar títulos, ações ou derivativos, usando os serviços dos outros bancos nessas operações. Agora, todo esse fluxo irá para a joint-venture. O banco com sede em Brasília possuía R$ 1 trilhão em ativos de terceiros sob gestão em setembro, segundo a Anbima, a associação de mercados de capitais do país. A corretora do UBS, que era número 1 no mercado de trading de ações no Brasil desde 2014, está em segundo lugar este ano, segundo dados compilados pela Bloomberg.

O Banco do Brasil tem uma carteira de empréstimos de R$ 686,6 bilhões em junho. O crédito para grandes corporações representava cerca de R$ 154 bilhões. O banco estatal ajudará a joint-venture a obter negócios de banco de investimento que exijam crédito, como empréstimos-ponte para aquisições ou liderança na emissão de títulos locais de renda fixa, mercados que estão crescendo este ano.

O UBS ocupa a quarta posição em assessoria para fusões no Brasil este ano, até 4 de novembro, e a décima primeira no ranking de liderança em emissão de ações, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. O banco com sede em Zurique não participa do mercado local de títulos.

A corretora do UBS perdeu sua posição número 1 no mercado de trading de ações no Brasil este ano para a XP Investimentos SA, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. O XP movimentou R$ 894,8 bilhões este ano até 4 de novembro, enquanto o UBS ficou em segundo com R$ 672,8 bilhões. A XP também possui as corretoras Clear e Rico, que adicionam R$ 219,9 bilhões ao total.

A corretora do UBS, que não opera no mercado de varejo no Brasil, é líder no mercado de trading de baixa latência feito por meio de computadores, dominado por investidores estrangeiros. O banco também tem uma forte presença no mercado de derivativos.

Para entrar em contato com o repórter: Cristiane Lucchesi em São Paulo, clucchesi5@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Daniel Cancel, dcancel@bloomberg.net, Julia Leite

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

©2019 Bloomberg L.P.