Mercado abrirá em 13 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,93
    -1,46 (-3,90%)
     
  • OURO

    1.876,00
    -3,20 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    13.117,02
    -46,37 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,41
    -13,28 (-4,87%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.583,87
    +1,07 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.213,25
    +80,50 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7122
    -0,0222 (-0,33%)
     

Uber vence recurso e volta a operar em Londres

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
·2 minutos de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - A Uber venceu na Justiça nesta segunda-feira (28) o recurso contra a proibição de operar na cidade de Londres. A cidade é o maior mercado europeu da empresa americana, com mais de 3,5 milhões de usuários, segundo estimativa da Business of Apps. A decisão do Tribunal de Magistrados de Westminster é uma derrota para o prefeito da capital britânica, Sadiq Khan, que desde 2017 tenta revogar a licença da empresa americana de transporte compartilhado. No lance mais recente, em novembro do ano passado, a agência de transporte de Londres (TfL) havia retirado a autorização de operação depois da revelação de que mais de 14 mil viagens haviam sido feitas por motoristas sem licença. A Uber argumentou que as contas falsas foram responsabilidade de uma quadrilha e não representavam um problema geral do sistema de controle da empresa. Segundo o tribunal, a empresa eliminou as falhas de segurança e seus sistemas de supervisão e controle. A decisão, que renovou a licença por 18 meses, afirma que os problemas não eram graves o suficiente para rejeitar a licença de operação. A regional da Uber para a Europa ocidental e do norte afirmou que o resultado era um "reconhecimento do compromisso da empresa com a segurança". A agência londrina TfL, por sua vez, afirmou que as melhorias de segurança foram implantadas por causa das restrições impostas em novembro, e que "monitorará de perto a adesão da Uber aos regulamentos e tomará medidas rapidamente se eles não cumprirem os padrões exigidos". A volta da Uber desagradou aos motoristas de táxi tradicionais, que bloquearam várias ruas de Londres em protesto. Na cidade operam outras empresas de transporte compartilhado, como a indiana Ola, a alemã Freenow e a estoniana Bolt. O mercado britânico de transporte público por automóveis (táxis e aplicativos) é o quarto maior do mundo em receitas (US$ 6,9 bilhões por ano, ou R$ 38 bi) e o décimo em penetração (26,4%), segundo a Statisa. A batalha de capitais europeias contra empresas de tecnologia não se restringe a Londres. Na última terça (22), a Justiça francesa autorizou a Prefeitura de Paris a limitar o número de apartamentos oferecidos pelo Airbnb.