Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,73
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.813,80
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    56.052,16
    -700,88 (-1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.456,19
    -15,23 (-1,03%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.347,67
    +16,30 (+0,06%)
     
  • NASDAQ

    13.644,00
    +46,25 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3642
    -0,0024 (-0,04%)
     

Uber vê maior demanda por entregas mesmo após pandemia

Andrea Navarro
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O negócio de entrega de alimentos da Uber Technologies aposta que o aumento da demanda vai continuar após a pandemia de coronavírus e ajudar a tornar a unidade rentável no próximo ano.

O crescimento é impulsionado por novos clientes e clientes existentes que fazem pedidos com mais frequência, disse Pierre-Dimitri Gore-Coty, responsável pela operação de entregas da Uber. A frequência dos pedidos tende a voltar aos níveis pré-pandemia, mas a expansão total permitirá que o negócio registre lucro em 2021, afirmou.

“Muito do crescimento que vemos hoje veio para ficar”, disse Gore-Coty em entrevista na sexta-feira.

A demanda por entregas aumentou neste ano com mais pessoas em casa, um ponto positivo para a Uber cujos outros negócios foram afetados pela pandemia. Por dois trimestres consecutivos, a Uber ganhou mais dinheiro entregando comida do que transportando pessoas. As entregas mais que dobraram no terceiro trimestre, mesmo com a queda de 24% dos usuários ativos mensais da plataforma Uber - categoria que também inclui clientes do aplicativo de transporte - para 78 milhões.

O aumento das entregas é um dos motivos pelos quais investidores têm apostado na Uber. As ações da empresa acumulam alta de 38% neste mês, em comparação com avanço de 9,3% do índice S&P 500.

Na América Latina, a Uber deixou de fazer entregas recentemente na Argentina e na Colômbia, parte dos planos de operar apenas em países onde vê um caminho claro para ser o principal player, disse Gore-Coty.

“Sentimos que os investimentos necessários para chegar nesse ponto não valiam a pena”, disse.

A Uber pretende se expandir com a entrega de mantimentos e itens de farmácia, além de refeições preparadas. A empresa busca uma participação majoritária na startup chilena Cornshop - acordo que foi aprovado no Chile e está sendo revisado no México. Os termos não foram divulgados.

Em junho, a Uber também anunciou a aquisição de US$ 2,65 bilhões da empresa de entrega de alimentos Postmates, um negócio que deve aumentar sua presença geográfica e a variedade de restaurantes nos EUA. A transação deve ser concluída até o fim do ano.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.