Mercado fechado

Uber investe em serviço de compras de supermercado na América Latina

Rafael Arbulu

A Uber Technologies anunciou a aquisição de participação majoritária da empresa Cornershop. O nome pode parecer pouco familiar, mas trata-se de uma empresa com atuação no Chile, México, Peru e Canadá, focada na oferta de produtos de supermercado pedidos via aplicativo.

O CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, exaltou a negociação, ressaltando o desejo de que a empresa seja o ponto focal das necessidades do usuário, independente do que ele precise: “Seja para pedir uma viagem, comida para o seu restaurante favorito e, em breve, produtos disponíveis nos supermercado na porta da sua casa, queremos que a Uber seja o sistema operacional para o dia a dia de nossos usuários. Estamos animados pela parceria com a Cornershop para continuar expandindo esta visão. Esperamos trabalhar juntos para levar compras de supermercado e entrega em domicílio a milhões de consumidores na plataforma Uber".

Já Oskar Hjertonsson, CEO e fundador da Cornershop, disse que a empresa está empolgada para começar a trabalhar na parceria: "Fundamos a Cornershop em 2015, focada, principalmente, na América Latina. A Uber é a companhia ideal, juntamente aos nossos parceiros de negócios, para levar o nosso jeito de comprar e entregar em domicílio a mais países em todo o mundo".

Imagem da página inicial da Cornershop: empresa teve parte majoritária adquirida pela Uber e faz a intermediação entre o usuário que quer fazer compras e redes de supermercado em quatro países (Captura de imagem: Rafael Arbulu/Canaltech)

O funcionamento da Cornershop é simples: o usuário baixa o app e cria uma conta (ou conecta-se usando os serviços do Facebook ou Google). Após isso, um endereço é pedido para que sejam identificados os mercados mais próximos. A partir daí, o usuário marca as suas lojas favoritas e, quando for realizar o pedido, a equipe do aplicativo é quem fará as compras em seu lugar, direcionando toda a entrega para a sua casa em até uma hora.

O problema: ele não funciona no Brasil. Então não há como saber, ainda, se a aquisição majoritária da Uber terá algum impacto de expansão no aplicativo — embora o CEO Oskar Hjiertonsson sinalize que sim.

A negociação ainda não foi finalizada pois, como manda a lei nos EUA, depende da aprovação de órgãos regulatórios. Os valores da transação não foram divulgados, porém é desejo da Uber e da Cornershop de que o trabalho em conjunto comece no início de 2020. A Cornershop continuará operando normalmente, porém passará a se reportar a um conselho deliberativo formado em sua maioria por executivos da Uber.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: