Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,50
    +0,38 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    39.951,10
    -456,97 (-1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    990,79
    -19,82 (-1,96%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.427,48
    -13,82 (-0,05%)
     
  • NASDAQ

    14.041,00
    +10,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1132
    -0,0047 (-0,08%)
     

Uber e Lyft fazem parceria com governo dos EUA sobre vacinas

Por Tina Bellon

(Reuters) - A Uber e a rival Lyft lançaram nesta segunda-feira programas de vacinação contra Covid-19 em parceria com o governo dos Estados Unidos, oferecendo viagens gratuitas ou descontos em viagens de ida e volta para um local de vacinação.

Quem agendar para tomar vacina pode pedir um carro por meio do aplicativo Uber e não pagar nada se a viagem custar até 25 dólares ou receber um desconto de 25 dólares, disse a empresa.

Um porta-voz da empresa disse que a Uber não tem uma estimativa para o número de viagens de vacinas que espera fornecer.

A Lyft dará um desconto de 15 dólares para uma viagem de ida e volta, com desconto total de 30 dólares por passageiro.

Os motoristas receberão o pagamento integral da viagem, disseram as empresas.

O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou há duas semanas a parceria com Uber e Lyft em um esforço para aumentar as taxas de vacinação, no momento em que a demanda por vacinas no país diminui.

Muitos Estados norte-americanos estão oferecendo incentivos, desde comida e bebidas gratuitas até a chance de ganhar na loteria, a fim de elevarem as taxas de imunização.

Biden definiu a meta de obter 70% dos adultos dos EUA vacinados até 4 de julho para que o país possa ser reaberto com segurança para celebrações e pequenos encontros do feriado do Dia da Independência. Até domingo, 49% dos americanos receberam pelo menos uma dose de vacina, de acordo com o Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.