Mercado abrirá em 1 h 50 min

Uber deixará de operar na Colômbia após decisão judicial

Giovanna Almeida
Uber deixará de operar na Colômbia após decisão judicial

A Uber anunciou, na última sexta-feira (10), que deixará de operar na Colômbia a partir do dia 1º de fevereiro. A decisão ocorreu por conta de uma determinação judicial.

As autoridades do país latino-americano alegaram que a Uber possui práticas comerciais desleais. Com isso, o funcionamento do aplicativo de transportes foi proibido em todo o território colombiano pela Superintendência de Indústria e Comércio (SIC), órgão regulador do país.

“A Uber respeita a lei e as decisões das autoridades. No entanto, decisões como esta respondem também à ausência de uma regulamentação do serviço de mobilidade colaborativa por meio de plataformas tecnológicas na Colômbia”, diz o comunicado divulgado pela empresa.

O processo contra a companhia norte-americana foi aberto pela Cotech S.A. A empresa, que presta serviços de comunicação para taxistas, alegou que a Uber possui vantagens competitivas desleais por conta da falta de regulação para exigir o pagamento das mesmas taxas que os taxistas precisam pagar.

Mesmo com a decisão judicial, o diretor de políticas globais da empresa, Justin Kintz, afirmou que espera que o governo colombiano reverta a situação.

“88 mil motoristas, milhões de usuários e a vibrante nação da Colômbia merecem soluções de mobilidade que funcionam para eles, e, por isso, nós esperamos que o governo colombiano encontre soluções para salvar o Uber”, escreveu Kintz em sua conta no Twitter.

Uber e Hyundai anunciam parceria

A Hyundai anunciou, na última segunda-feira (6), uma parceria com a Uber no desenvolvimento de carros voadores.

Saiba mais: Hyundai e Uber anunciam parceria para o desenvolvimento de carro voador

A Hyundai afirmou que vai iniciar as atividades junto à companhia de transporte para a criação dos veículos elétricos. A plataforma de transportes, no entanto, já possui um conceito de aeronave já desenvolvido, com autonomia de até 100 quilômetros, carregando quatro passageiros e um piloto.

"A Hyundai vai produzir e desenvolver os veículos, enquanto a Uber vai dar apoio e serviços, conexões ao transporte terrestre e uma rede de compartilhamento global", afirmaram as empresas em um comunicado.