Mercado fechado

Uber afirma que dados de usuários foram protegidos de ataque hacker

Hacker teve acesso a mensagens trocadas entre funcionários e a um sistema interno de gerenciamento de faturas (Getty Creative)
Hacker teve acesso a mensagens trocadas entre funcionários e a um sistema interno de gerenciamento de faturas (Getty Creative)
  • Uber afirmou que informações confidenciais de passageiros foram preservados em invasão hacker;

  • Aplicativo de transporte acredita que o ataque começou com o acesso à senha de um funcionário terceirizado;

  • Invasor seria um membro do grupo Lapsus$, o mesmo que reivindicou o ataque ao Ministério da Saúde em 2021.

Após sofrer uma invasão hacker na semana passada, o Uber afirmou que informações como cartões de crédito e histórico de viagens de seus usuários não foram afetadas. Mas que o invasor teve acesso a mensagens trocadas entre funcionários e a um sistema interno de gerenciamento de faturas.

Segundo informações do portal g1, o aplicativo de transporte acredita que o ataque começou com o acesso à senha de um funcionário terceirizado e que o invasor seria um membro do grupo Lapsus$, o mesmo que reivindicou o ataque ao Ministério da Saúde em 2021.

"Em primeiro lugar, não vimos que o invasor acessou os sistemas de produção (ou seja, voltados ao público) que alimentam nossos aplicativos; quaisquer contas de usuário; ou os bancos de dados que usamos para armazenar informações confidenciais do usuário, como números de cartões de crédito, informações da conta bancária do usuário ou histórico de viagens", declarou a empresa em nota.

O ataque

Na última sexta-feira (16), o Uber confirmou que sofreu uma invasão hacker aos mais diversos sistemas da empresa, como o Slack, o AWS, o Google Workspace e o HackerOne.

Pesquisadores de segurança acreditam que o hacker teria enganado um funcionário, usando técnicas de phishing via mensagens de texto, para conseguir acesso à uma VPN da empresa.

Também em setembro, o aplicativo Yandex Taxi, que opera de uma forma parecida com o Uber e a 99 na Rússia, foi hackeado. Isso causou um enorme congestionamento na avenida Kutuzovsky Prospekt, uma das principais vias de Moscou.

O ataque foi elaborado pelo grupo hacker “Anonymous”. Para realizar a ação, a organização fez com que vários motoristas aceitassem realizar corridas em um mesmo endereço. Isso gerou um grande engarrafamento de taxistas, o que atrapalhou o trânsito local do distrito de Fili.