Mercado fechará em 4 h 40 min
  • BOVESPA

    109.018,93
    -1.767,50 (-1,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.606,53
    -691,67 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,61
    -0,81 (-0,97%)
     
  • OURO

    1.780,20
    -4,70 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    64.605,70
    -1.228,39 (-1,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.530,54
    -4,10 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.535,95
    -0,24 (-0,01%)
     
  • DOW JONES

    35.526,27
    -83,07 (-0,23%)
     
  • FTSE

    7.194,41
    -28,69 (-0,40%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.395,75
    +18,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5650
    +0,0454 (+0,70%)
     

Uber é condenada a pagar R$ 4 mil por danos morais a passageira

·2 minuto de leitura

Uma viagem de Uber que acabou na delegacia em fevereiro de 2021 virou condenação por danos morais para a empresa. A briga começou porque a passageira confundiu o método de pagamento e escolheu a opção dinheiro. Ao fim da corrida, ela não tinha como pagar e pediu para que o motorista cobrasse na próxima viagem.

Ele não aceitou, não a deixou sair do carro e a levou contra a vontade para a delegacia. A passageira pediu para sair do veículo e acionou a polícia contra o motorista. Segundo ela, durante a ida à delegacia, foi ofendida pelo parceiro do aplicativo e sofreu injúria racial.

Imagem: Reprodução/Unsplash/Paul Hanaoka
Imagem: Reprodução/Unsplash/Paul Hanaoka

A vítima também prestou queixa à Uber, mas ouviu que a empresa não “tinha capacidade de prestar qualquer auxílio relacionado ao incidente”. Além disso, foi orientada a fazer uma reclamação formal à plataforma em vez de fazer um boletim de ocorrência (BO) sobre o caso.

O pedido inicial da vítima era de R$ 30 mil. A sentença aponta que ele é procedente em parte e, com isso, a indenização foi definida em R$ 4 mil. A decisão é da juíza Oriana Piske, do 4º Juizado Especial Cível de Brasília.

Oriana verificou que há a opção de deixar um pagamento de corrida pendente para que seja acrescido no valor da próxima viagem. “O pedido da autora para deixar o valor da corrida pendente não está fora das possibilidades oferecidas pela ré”, diz a magistrada.

Segunda instância

Imagem: Divulgação/Uber
Imagem: Divulgação/Uber

A plataforma recorreu à segunda instância e diz que não é responsável pelo atendimento e pela postura do motorista. O recurso, entretanto, foi rejeitado pela 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal na sexta-feira passada (10). Segundo os magistrados, o consumidor deposita confiança na Uber na expectativa de que a plataforma regule a qualidade do serviço.

Para a Justiça, o pagamento da indenização por danos morais tem caráter educativo. A decisão ressalta que a medida é justificada pela situação “angustiante e vexatória” pela qual a passageira passou.

A reportagem do Canaltech entrou em contato com a Uber para saber qual o posicionamento da empresa sobre o caso. A companhia diz que considera inaceitável o uso de qualquer tipo de violência. “Esperamos que motoristas parceiros e usuários não se envolvam em brigas e discussões e que contatem imediatamente as autoridades policiais sempre que se sentirem ameaçados. A empresa está sempre à disposição das autoridades para colaborar com as investigações, na forma da lei.”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos