Mercado abrirá em 1 h 53 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,23
    +0,35 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.927,90
    -2,90 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    23.432,73
    -409,59 (-1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,05
    -10,27 (-1,88%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.842,37
    +22,21 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.664,75
    -182,00 (-1,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4986
    +0,0089 (+0,16%)
     

Ubatuba cobrará taxa de turistas para lidar com problema

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Além do menor índice de coleta de esgoto no litoral paulista (54%), Ubatuba sofre com problema crônico de excesso de lixo durante o verão e feriados prolongados. Para contorná-lo a prefeitura passará a cobrar neste ano uma taxa diária dos veículos de turistas.

Nesta temporada, sobretudo na virada do ano, Ubatuba passou vários dias com quantidades enormes de lixo espalhadas pelas ruas, praias e nas orlas mais turísticas da cidade, como na Praia Grande e no Itaguá, onde concentram-se restaurantes e lojas.

As reclamações de turistas, moradores e de entidades ambientais na cidade ocorrem com frequência nas temporadas, no sentido de que o acumulo de resíduos é previsível nessas épocas, e de que não haveria planejamento adequado para lidar com o problema.

Ubatuba produz 42 mil toneladas de lixo anualmente, 25% concentrados em dezembro e janeiro, segundo a prefeitura. No período, a cidade de 93 mil habitantes no litoral norte, com cerca de cem praias, tem multiplicada em várias vezes a população --que atinge 500 mil na virada do ano.

Em prévia divulgada pela Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento, a prefeitura de Ubatuba fechou 2022 com receita de R$ 524 milhões. Para lidar com o lixo, resíduos da saúde e limpeza pública, foram gastos R$ 36 milhões, ou 7% da receita. Em Santos, segundo a prefeitura, os mesmos serviços consomem 5,2% da receita (de R$ 3,4 bilhões).

Segundo o secretário de Meio Ambiente de Ubatuba, Guilherme Adolpho, do total gasto com o lixo na cidade, somente R$ 16 milhões são cobertos por taxa municipal específica. "A diferença, que poderia ir para escolas, vai para o lixo."

A despesa com o lixo em Ubatuba não é cara só por causa do recolhimento. Há enorme gasto extra para transportá-lo para fora da cidade. Todos os resíduos sobem a serra e são levados a um aterro em Jambeiro, a 128 km de Ubatuba.

Segundo Adolpho, entre 10 e 15 caminhões fazem o percurso de ida e volta todos os dias, e a meta da cidade é ter, no futuro, um aterro bem preparado que diminua esse custo, além de mais pontos de descarte.

Para financiar isso, Ubatuba está instituindo a TPA (Taxa de Preservação Ambiental), que cobrará diárias de veículos com placas de fora de Ubatuba (e de cidades vizinhas) que entrarem na cidade. A meta é arrecadar cerca de R$ 15 milhões anuais.

Para automóveis de passeio, a taxa será de R$ 13 ao dia; para vans, R$ 39; para ônibus, R$ 92. Moradores e donos de imóveis em Ubatuba com veículos emplacados em outros municípios já estão se cadastrando para obter isenção.

A fim de operacionalizar a cobrança, a prefeitura está instalando câmeras nas estradas que dão acesso à cidade para registrar as placas dos veículos.

O pagamento poderá ser feito por compras antecipadas de diárias em site da prefeitura, por TAGs fixados nos vidros dos veículos (como nos pedágios) ou depois de o motorista deixar a cidade, por meio de aplicativo, entre outras opções.

Após o prazo de 30 dias, os inadimplentes serão inscritos na dívida ativa do município, que poderá proceder a cobrança por meios legais.