Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,76
    -0,52 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.707,90
    -7,90 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    50.383,58
    +2.496,69 (+5,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,06
    +25,96 (+2,63%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.619,25
    -62,50 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7726
    -0,0061 (-0,09%)
     

Twitter vai manter Trump banido mesmo se ele voltar a ser presidente

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

Se Donald Trump ainda tinha alguma esperança de voltar a usar o Twitter, suas expectativas foram esmagadas de vez nesta quarta-feira (10). Durante uma entrevista concedida à rede televisiva CNBC, o diretor financeiro da rede social, Ned Segal, garantiu — em rede nacional — que o republicano não terá seu perfil de volta mesmo se um dia retornar ao cargo de presidente dos Estados Unidos.

“É desse jeito que são as regras, quando você é removido da plataforma, você é removido da plataforma — não importa se você é um comentarista, um diretor financeiro executivo ou um oficial público extinto ou atual. Lembre-se, nossas políticas são desenhadas para garantir que as pessoas não incitem a violência; se qualquer pessoa fizer isso, nós temos que removê-la do serviço e nossas políticas não permitem um retorno”, explica Ned.

O ex-presidente foi banido oficialmente da plataforma no dia 8 de janeiro após “agradecer o apoio” dos manifestantes que invadiram o Capitólio dos EUA durante a validação dos votos de Joe Biden, atual regente do país. Trump também usou a oportunidade para reforçar suas alegações de que as eleições presidenciais de 2020 teriam sido fraudadas, o que só ajudou a atiçar os militantes republicanos.

Recentemente, Jack Dorsey, CEO do Twitter, afirmou não sentir orgulho em ter banido o ex-presidente, mas reconheceu que foi a decisão certa. “Enfrentamos uma circunstância extraordinária e insustentável, que nos obrigou a focar todas as nossas ações na segurança pública. Os danos offline resultantes da fala online são comprovadamente reais e é o que impulsiona nossa política e aplicação acima de tudo”, explicou Dorsey.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: