Mercado abrirá em 2 h 17 min
  • BOVESPA

    112.273,01
    -43,15 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.521,43
    -253,48 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,96
    -0,94 (-1,21%)
     
  • OURO

    1.920,50
    -18,70 (-0,96%)
     
  • BTC-USD

    22.908,15
    -346,46 (-1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,57
    -18,31 (-3,40%)
     
  • S&P500

    4.017,77
    -52,79 (-1,30%)
     
  • DOW JONES

    33.717,09
    -260,99 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.735,36
    -49,51 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.919,25
    -48,75 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5292
    -0,0178 (-0,32%)
     

Twitter torna selo de verificado ainda mais ambíguo

As contas verificadas que não assinam o Twitter Blue não mais serão identificadas como “notáveis”, sugere uma mudança no texto de descrição do selo. No app para celular, em vez de discriminar contas de governos, veículos jornalísticos, personalidades e empresas, no texto de descrição da seção “Conta verificada”, a plataforma agora menciona que o perfil “pode ou não ser uma pessoa com notoriedade”.

A mudança no texto de descrição pode parecer pequena, mas implica numa grande mudança de interpretação. Na nova leitura, a interpretação é bem mais ambígua e não deixa claro se a conta verificada pertence a uma pessoa relevante, entidade, governo ou empresa.

Texto de descrição novo à esquerda em comparação com a versão antiga, à direita (Imagem: Igor Almenara/Canaltech)
Texto de descrição novo à esquerda em comparação com a versão antiga, à direita (Imagem: Igor Almenara/Canaltech)

“Esta conta é verificada, pois é uma pessoa notável no governo, nas notícias, no entretenimento ou em outra categoria designada”, dizia o texto de descrição do selo de verificação antes da revisão recente.

“Esta é uma conta verificada pré-existente. Pode ou não ser de uma pessoa com notoriedade”, diz o novo texto de descrição do selo no app para celular.

Apesar de o texto revisado ser atribuído somente às contas com selo de verificação concedidos gratuitamente pelo sistema anterior, ele é ambíguo e não dá ao usuário certeza sobre a autenticidade do perfil. Se o utilizador estiver apenas de passagem e não souber da diferença entre as descrições, a interpretação pode levá-lo a acreditar que a conta em questão seja falsa.

Felizmente, a mudança não foi aplicada às contas que assinam o Twitter Blue — ao menos, não por enquanto. A etiqueta de verificação do plano de assinatura ainda carrega a descrição "Este usuário é um assinante do Twitter Blue".

Assinantes do Twitter Blue ainda são identificados como tal (Imagem: Igor Almenara/Canaltech)
Assinantes do Twitter Blue ainda são identificados como tal (Imagem: Igor Almenara/Canaltech)

Problemas no futuro?

Enquanto o Twitter Blue com selo de verificação não for liberado de forma definitiva, não dá para saber como a rede social vai lidar com a onda de contas fakes se passando por empresas, entidades e pessoas públicas, mas o texto novo definitivamente não ajuda. Sabe-se que o dono da rede social, Elon Musk, considera implementar etiquetas de autenticidade com coloridos, assim diferenciando usuários comuns de perfis corporativos, por exemplo.

Atualmente, o Twitter mantém a etiqueta "Oficial" ativa e presente para contas que pertencem a marcas, veículos jornalísticos, pessoas públicas, governos e entidades, e é possível que isso seja mantido no futuro. Porém, o selo de verificação gratuito terá ainda menos valor para as contas que o possuírem, já que nem o texto de descrição afirma se tratar de uma conta original e autêntica.

Twitter Blue indisponível

O Twitter Blue de Elon Musk continua indisponível desde a suspensão no início do mês de novembro. O bilionário até estimou que a plataforma reativaria a funcionalidade em 29 de novembro, mas o sistema não conseguiu ser finalizado a tempo.

Não se sabe como esse relançamento do Twitter Blue vai se parecer, mas é bastante provável que ele seja melhor do que a versão lançada às pressas no mês passado, já que teve mais tempo para ser desenvolvida. É possível também que a assinatura fique mais cara para quem contratá-la no iPhone, decisão que deve ter sido somada para amenizar a comissão de 30% da Apple.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: