Mercado abrirá em 16 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,87
    -1,52 (-4,07%)
     
  • OURO

    1.876,10
    -3,10 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    13.124,31
    -39,08 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,67
    -13,02 (-4,77%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.583,25
    +0,45 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.213,75
    +81,00 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7122
    -0,0222 (-0,33%)
     

Twitter testa nova ferramenta para conter desinformação e fake news

Felipe Demartini
·3 minutos de leitura

A luta do Twitter contra as fake news pode estar prestes a ganhar um novo recurso, o Birdwatch. Flagrado em versões Beta do cliente da rede social para smartphones, a funcionalidade vai permitir que os usuários incluam anotações às mensagens publicadas, quase como se fossem notas de rodapé, de forma a adicionar contextos, realizar atualizações ou indicar que há algo de errado com aquela publicação e incluir links para a versão verdadeira do que está sendo reportado.

O recurso foi descoberto como parte da interface comum da plataforma, na forma de um ícone de óculos que aparece ao lado das informações de data e hora de publicação de um tweet. Dali, o usuário deve preencher um questionário indicando porque acredita que a mensagem em questão é enganosa, eventuais efeitos que a disseminação dessa informação poderia causar e, o mais importante, uma explicação em pouco mais de 500 caracteres, com mais dados, links ou notícias verdadeiras ou que tragam contexto.

A ideia é criar um documento público, feito pela própria comunidade, sobre a autenticidade das informações divulgadas, sua temporalidade e, principalmente, o contexto, que é uma das principais armas usadas por aqueles que disseminam desinformação. Muitas vezes, notícias antigas são recicladas sem as devidas atualizações ou histórias são contadas pela metade, com o novo recurso preenchendo uma lacuna que, até agora, os usuários tentavam completar por meio de respostas às publicações originais, um método nem sempre eficaz e mais suscetível ao algoritmo.

O Birdwatch também vai permitir que as notas de rodapé dos tweets sejam acessadas, bem como verificar as indicações feitas por outros usuários a partir de seus perfis. Fica a dúvida, claro, sobre quem exatamente terá acesso a esse recurso e de que forma ele poderá ser usado, já que a ideia geral é que, se aberta a todos, pode se tornar um novo pesadelo de desinformação e criar desafios adicionais para uma moderação que já encontra dificuldades para lidar com a disseminação de fake news no formato atual.

A ideia por trás do Birdwatch foi confirmada oficialmente por Kayvon Beykpour, líder de produtos do Twitter. Pela própria rede social, ele confirmou o desenvolvimento do recurso e afirmou que mais detalhes sobre ele devem ser revelados em breve, principalmente, a forma como tudo vai funcionar e quem poderá inserir notas de rodapé às mensagens publicadas na rede social.

Outros esforços do Twitter voltados ao combate à desinformação envolvem um alerta que deve começar a aparecer aos usuários falantes do inglês, e depois no restante do mundo, nesta semana. O aviso surge no momento dos retuítes e pede que os usuários cliquem nos links e leiam os artigos completos antes de os compartilharem, informando, com todas as letras, que “manchetes nem sempre trazem as informações completas”. Novamente, se trata de um teste que começa com quem tem iOS.

A ideia, segundo publicação oficial da plataforma, é criar o que chama de “discussões informadas”. A rede social sabe que os compartilhamentos geram engajamento, respostas e conversas, por isso, deseja que os usuários saibam um pouco mais sobre o que estão compartilhando com seus contatos e leiam os artigos, uma sugestão que também cai bem com os produtores de conteúdo, afinal, tende a gerar mais cliques e visualizações das matérias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: