Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,66
    +1,26 (+1,12%)
     
  • OURO

    1.811,90
    -7,00 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    30.460,51
    +576,28 (+1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    677,94
    +435,26 (+179,36%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    +112,70 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.556,00
    -4,25 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2108
    +0,0004 (+0,01%)
     

Twitter tem grande influência mas modelo econômico que gera dúvidas

·2 min de leitura
Em vias de ser adquirido por Elon Musk, o Twitter tornou-se, em menos de uma geração, um meio de comunicação praticamente inevitável para empresas, políticos, militantes e celebridades (AFP/Kirill KUDRYAVTSEV) (Kirill KUDRYAVTSEV)

Em vias de ser adquirido por Elon Musk, o Twitter tornou-se, em menos de uma geração, um meio de comunicação praticamente inevitável para empresas, políticos, militantes e celebridades, mas é, ao mesmo tempo, um exemplo da deriva das redes sociais.

Dezesseis anos após a sua criação, a empresa de São Francisco, no estado americano da Califórnia, conta com 217 milhões de usuários ativos diários, dos quais 80% se encontram fora dos Estados Unidos.

Foram necessários 12 anos e bilhões de dólares para que a plataforma registrasse o primeiro lucro líquido, no fim de 2017. No ano seguinte, teve seus primeiros 12 meses no azul.

Embora seja frequentemente associado ao Facebook ou Instagram, inclusive a outros gigantes da tecnologia americanos, o Twitter está muito distante em termos econômicos, tanto em volume de negócios (5 bilhões de dólares em 2021) quanto em valor de mercado.

O modelo de negócios da empresa encontra dificuldades para converter em receita a imensa influência que a plataforma exerce. Com base na publicidade, não conseguiu atrair anunciantes suficientes, em alguns casos temerosos do lado obscuro do Twitter, uma caixa de ressonância de críticos e radicais de todos os tipos.

Para muitas instituições, legisladores, dirigentes ou empresas, o tuíte é o canal de divulgação por excelência, a ponto de, às vezes, vir a substituir os demais. O Twitter também foi considerado por quase quatro anos o meio de comunicação preferido do então homem mais poderoso do mundo, Donald Trump, antes de ele ser expulso da rede, após a invasão do Capitólio por apoiadores do ex-presidente americano.

Investidores viram com desconfiança as ações do Twitter, que, há três semanas, valia 12% menos do que quando foi lançado na bolsa, há mais de oito anos. Para conseguir novas fontes de renda, o grupo lançou em junho passado o Twitter Blue, serviço de assinatura que oferece funções adicionais às gratuitas.

Elon Musk “vê claramente a implementação de fórmulas de assinatura como um caminho a seguir”, afirmou Susannah Streeter, da Hargreaves Lansdown. O risco, continuou, está em que esse modelo afaste da plataforma os usuários moderados, que podem não estar dispostos a pagar por uma rede onde a agressão é uma possibilidade latente.

tu/juj/vgr/mr/dl/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos