Mercado fechará em 6 h 34 min
  • BOVESPA

    110.188,57
    +787,16 (+0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,53
    +0,28 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.783,60
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.799,14
    -185,96 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,15
    -7,65 (-1,90%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.514,98
    -6,41 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.485,75
    -80,25 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5124
    +0,0337 (+0,62%)
     

Twitter suspende selo de verificado para novas contas após onda de fakes

O Twitter começou a bloquear a assinatura do Twitter Blue por contas novas na rede social. A medida é uma tentativa de barrar a onda de perfis falsos que se disseminou na plataforma desde o lançamento do selo azul para quem pagasse US$ 8 por mês — no Brasil, onde ainda não está disponível, o programa deve custar R$ 25,90.

A rede social alterou a página oficial de ajuda para incluir a restrição. Agora, somente contas existentes antes de 9 de novembro de 2022 poderão fazer a adesão ao sistema de assinaturas. Não há informações se a medida é temporária ou definitiva — o que prejudicaria a entrada de novos usuários e empresas.

Até agora, não houve uma explicação formal de qual o motivo da restrição do acesso, embora esteja muito clara a motivação. Em apenas dois dias, várias marcas, personalidades e influenciadores foram alvos de trolls que criaram contas novas para tentar enganar as pessoas.

O comunicado na página de ajuda do Twitter Blue mostra que novas contas não podem assinar o serviço (Imagem: Reprodução/Twitter)
O comunicado na página de ajuda do Twitter Blue mostra que novas contas não podem assinar o serviço (Imagem: Reprodução/Twitter)

Nintendo dos EUA, o astro do basquete LeBron James e o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump foram algumas das vítimas da enxurrada de contas fake. O próprio Twitter foi alvo disso em um golpe envolvendo criptomoedas, e todos os perfis tiveram um ponto em comum: foram criados após a liberação da logomarca azul de modo automatizado.

Selo azul para todos causa problema

O objetivo de Elon Musk, dono do Twitter, era acabar com a distinção entre "senhores e camponeses", uma comparação entre verificados e não verificados. O problema é que o tick azul nunca serviu para criar castas na plataforma, e sim para diferenciar contas verdadeiras das falsas quando se trata de alguma figura notável em áreas como jornalismo, artes e governo. Ao oferecer o selo para todos, a funcionalidade original foi pelo ralo.

A rede social do passarinho tratou de banir todas as contas falsas assim que a notícia começou a se espalhar pela mídia, mas a velocidade de exclusão é muito menor que a de criação de fakes, o que obrigou o bloqueio do acesso ao Twitter Blue para perfis recentes.

O bilionário dono da Tesla não deve interromper definitivamente a venda da marca de verificação tão facilmente porque vê nisso uma oportunidade de gerar receita. No entanto, a elevada quantidade de problemas pode obrigá-lo a rever as previsões iniciais, principalmente ao penalizar os novos usuários legítimos.

Ontem (9), a empresa chegou a utilizar um rótulo "Oficial" para identificar contas previamente verificadas de empresas, agências, órgãos governamentais, personalidades e jornalistas. Após poucas horas, Musk apenas disse que "matou" o recurso, sem explicar o motivo nem apresentar uma solução alternativa.

O Twitter Blue só está disponível para usuários do aplicativo no iOS nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido. A plataforma ainda luta para se manter ativa após a demissão de mais da metade dos funcionários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: